sicnot

Perfil

Mundo

Poluição atmosférica mata mais de 5,5 milhões de pessoas por ano

A poluição do ar provoca a morte a mais de 5,5 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, com as mortes a ocorrerem na sua maior parte na China e na Índia, divulgaram hoje investigadores.

© China Stringer Network / Reut

A previsão dos cientistas autores do estudo, divulgado na conferência anual da Associação (Norte-)Americana para o Avanço da Ciência, que decorre na capital dos EUA, é a de que o número de mortes prematuras vai continuar a subir nos próximos anos, se nada se fizer contra a poluição.

"A poluição do ar é o quarto fator de risco de morte globalmente e, de longe, o principal risco ambiental de doença", afirmou Michael Brauer, professor na Escola de População e Saúde Pública da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá.

A poluição atmosférica aparece depois da pressão arterial elevada, (má) alimentação e tabagismo como o quarto fator de risco de morte à escala mundial, segundo um estudo do Instituto de Métrica de Saúde.

"Reduzir a poluição atmosférica é uma forma incrivelmente eficiente de melhorar a saúde da população", afirmou Brauer.

China e Índia representam 55% das mortes anuais à escala global da poluição atmosférica.

Cerca de 1,6 milhões de pessoas morreram na China em 2013 e 1,4 milhões na Índia.

Na China, a queima do carvão é o principal causador da má qualidade do ar -- e a poluição provocada pelo carvão provocou 366 mil mortes em 2013, afirmou Qiao Ma, uma estudante de doutoramento na Escola de Ambiente da Universidade Tsinghua, em Pequim.

Ela projetou que a poluição atmosférica deve causar entre 990 mil e 1,3 milhões de mortes prematuras até 2030, na ausência de medidas ambiciosas.

"O nosso estudo ilustra a necessidade urgente de estratégias ainda mais agressivas para reduzir emissões dos setores do carvão e outros", disse Ma.

Na Índia, a principal origem é a queima de madeira, estrume e biomassa para cozer e aquecer.

Segundo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a qualidade do ar, a poluição deve ser restringida a um nível diário de 25 microgramas de metro cúbico.

Em fevereiro, Pequim e Nova Deli este nível esteve, por norma, em 300 microgramas ou acima, excedendo em 1.200% as orientações da OMS, avançaram os investigadores.

Mais de 85% da população mundial vivem em áreas onde as orientações da OMS são desrespeitadas.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.