sicnot

Perfil

Mundo

Aspirantes republicanos à Casa Branca trocam acusações em debate

Os seis aspirantes à nomeação republicana para as eleições de novembro nos Estados Unidos entraram hoje em conflito durante um dos mais acesos debates, centrado em torno dos imigrantes, política externa e a morte do juiz Antonin Scalia.

© Jonathan Ernst / Reuters

Antes de iniciarem o debate, os pré-candidatos republicanos fizeram um momento de silêncio em homenagem ao juiz do Supremo Tribunal, que morreu no sábado, aos 79 anos, em casa, abrindo a porta à batalha pela sua sucessão, proposta pelo Presidente mas que tem de ser aprovada pelo Senado.

O ex-governador Jeb Bush foi o único a defender que Barack Obama tem "todo o direito" de nomear um substituto de Scalia. O Presidente já anunciou que pretende fazê-lo antes de abandonar a Casa Branca, apesar da ameaça de veto do Senado, de maioria republicana.

Os outros cinco pré-candidatos pediram aos senadores republicanos que bloqueiem qualquer iniciativa de Obama.

"Atrasem, atrasem, atrasem", foi o que pediu Donald Trump aos republicanos da Câmara Alta.

O debate na Carolina do Sul foi marcado por ataques pessoais entre os candidatos, centrados particularmente em Trump, mas também trocados por Ted Cruz e Marco Rubio, ambos de origem cubana.

Os dois pré-candidatos acusaram-se mutuamente de terem mudado as suas posições sobre imigração e de defenderem uma "amnistia" migratória e política como uma via para legalizar os 11 milhões de imigrantes ilegais que se estima viverem no país.

Cruz, senador pelo Texas, acusou Rubio de ter dito no canal hispânico Univisión que, se eleito, não acabaria imediatamente com as ações executivas que Obama anunciou em novembro de 2014 para travar a deportação de cinco milhões de indocumentados.

"Quero tomar conta de toda a gente, mas primeiro temos de cuidar dos nossos", disse por seu lado Trump, reiterando o seu desejo de deportar todos os indocumentados que vivem nos Estados Unidos e fazer o México pagar pela construção de um grande muro na fronteira entre os dois países.

Trump também se dirigiu a Jeb Bush, criticando-o pelo "grande erro" de julgamento que foi a guerra do Iraque, iniciada pelo ex-presidente e seu irmão George W. Bush.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário ou ainda esta sexta-feira, em formato online.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.