sicnot

Perfil

Mundo

Futuro Presidente da República Centro-Africana é escolhido hoje

Os eleitores da República Centro-Africana são hoje chamados às urnas para a segunda volta das presidenciais e a repetição das legislativas, tentando que o país regresse à normalidade institucional após três anos de violência sectária.

Jerome Delay

Os antigos primeiros-ministros Anicet Georges Dologuélé (23, por cento dos votos na primeira volta) e Faustin Archange Touadéra (19,4%) disputam o cargo de presidente.

Dologuélé conta com o apoio do partido do ex-chefe de Estado François Bozizé, derrubado em 2013, e do terceiro classificado na primeira volta, Désiré Nzanga Kolingba (12,04%).

Touadéra tem o apoio do quarto classificado na primeira volta, Martin Ziguélé (11,43%), e de 21 dos 30 que disputaram o cargo de Presidente em dezembro.

As legislativas, com mais de mil candidatos, têm de ser repetidas, depois do Tribunal Constitucional ter anulado o resultado do escrutínio de 30 de dezembro devido a "numerosas irregularidades", registadas em quase todos os 140 círculos eleitorais.

Estão inscritos perto de dois milhões de eleitores, num país de 4,8 milhões de habitantes.

A força da ONU (MINUSCA), com 10.000 homens e apoiada pelos franceses da operação Sangaris, está mobilizada para garantir a segurança da votação.

As eleições gerais na República Centro-Africana, um dos países mais pobres do mundo, visam acabar com a crise política iniciada com a deposição, em março de 2013, do Presidente François Bozizé pela coligação Séléka, de maioria muçulmana, o que desencadeou combates mortais entre os partidários desta coligação e milícias cristãs.

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC