sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos na Síria fazem mais de 20 mortos

O número de mortos aumentou para mais de 20, em consequência dos raides aéreos de hoje em Azaz, no norte da Síria.

O Hospital dos Médicos sem Fronteiras em Azaz dava assistência básica a 40 mil pessoas.

O Hospital dos Médicos sem Fronteiras em Azaz dava assistência básica a 40 mil pessoas.

© Osman Orsal / Reuters

Na cidade de Azaz, perto da fronteira com a Turquia, vários mísseis destruiram dois hospitais e uma escola. Segundo médicos e residentes há pelo menos 14 mortos e 30 feridos.

Num outro ataque, quatro raides aéreos destruiram o Hospital dos Médicos Sem Fronteiras, na província de Idlib, no qual 54 auxiliares davam assistência básica de saúde a 40 mil pessoas. O presidente da organização não-governamental revelou horas depois do ataque que sete pessoas tinham morrido e que oito elementos da organização estavam desaparecidos.

A Turquia e a Organização dos Médicos sem Fronteiras defendem que os ataques foram bombardeamentos russos, enquanto que Moscovo alega que os alvos são grupos terroristas e não civis.

Este tipo de ataques a cidades repletas de rebeldes está a ajudar o exército sírio a avançar para Aleppo e caso o consigam será a maior vitória militar do presidente Bashar Al-Assad em cinco anos de guerra.

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.