sicnot

Perfil

Mundo

Bósnia-Herzegovina apresenta oficialmente pedido de adesão à União Europeia

A Bósnia-Herzegovina apresentou hoje oficialmente o pedido de adesão à União Europeia, mas terá de acelerar as reformas prometidas para evitar que a entrada se prolongue por vários anos.

reuters

"2016 será um ano difícil", admitiu o presidente em exercício da presidência colegial da Bósnia, Dragan Covic, numa cerimónia em Bruxelas, na qual apresentou o pedido oficial de adesão do país.

Covic admitiu que será um processo longo, defendendo a necessidade de modernização da economia como forma de acelerar o processo de adesão.

"Temos que melhorar a nossa economia. Teremos eleições locais e será uma oportunidade para demonstrar que podemos reformar o nosso país. Vemos que a nossa vizinha, Croácia, já é um membro da UE. Montenegro e Sérvia também estão no caminho da integração na UE. A Bósnia-Herzegovina também faz parte deste continente", acentuou o responsável.

Definida em 2003 como "potencial candidato" à entrada na UE, aquele país da ex-Jugoslávia nunca conseguiu obter esse estatuto, em particular devido às disputas políticas internas entre sérvios, croatas e muçulmanos, que têm bloqueado o processo de reformas exigido pelos responsáveis europeus num país assolado pelos impasses políticos e graves problemas económicos.

A ex-república jugoslava foi declarada independente no início de 1992 pelos "partidos" muçulmano e croata bósnio e a oposição dos sérvios bósnios.

Seguiu-se uma violenta guerra civil interétnica (abril de 1992-novembro de 1995), concluída com os acordos de Dayton. Desde então, a Bósnia-Herzegovina permanece dividida em duas entidades -- Federação croato-muçulmana e Republika Srpska -- com amplos poderes face a um governo central e a uma presidência tripartida muito fragilizados.

O país tem sido supervisionado por um Alto Representante internacional e que ainda possui consideráveis poderes executivos, sendo apontado com um fator acrescido de instabilidade. A UE também possui um alto representante e uma delegação em Sarajevo, dirigidas pelo mesmo responsável.

Para tentar dinamizar a aproximação com a Bósnia, em desvantagem face à maioria dos restantes Estados balcânicos, Bruxelas adotou em 2014, sob o impulso do Reino Unido e Alemanha, uma nova abordagem.

O objetivo consistia em prescindir das complexas revisões constitucionais e privilegiar as reformas para relançar a economia e criar empregos, num país de 3,8 milhões de habitantes, uma taxa de desemprego que ultrapassa 40%, crescentes protestos sociais e focos de islamismo radical.

Em fevereiro de 2015 o parlamento central bósnio adotou uma declaração onde se comprometia com as reformas, incluindo o mercado de trabalho, que já começou a ser aplicada.

Após novas insistências de Bruxelas, as autoridades deste país etnicamente dividido também chegaram a um acordo considerado definitivo sobre um "mecanismo de coordenação" de diversos níveis de poder, para "poderem falar a uma só voz" com a UE.

No entanto, este turbulento processo de normalização política no país mais instável dos designados Balcãs ocidentais permanece ameaçado. Assim, em 01 de janeiro, o Parlamento europeu suspendeu os acordos de comércio preferencial com a Bósnia, após a ex-república jugoslava ter repetidamente falhado em ajustar as suas quotas de exportação aos níveis da UE.

Uma semana mais tarde, a delegação da União em Sarajevo anunciava que a Bósnia apenas poderia solicitar o pedido formal caso fossem previamente divulgados os resultados do censo populacional que decorreu em outubro de 2013.

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.