sicnot

Perfil

Mundo

Chefes de diplomacia da UE reúnem-se em Bruxelas com Síria e Clima na agenda

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia reúnem-se hoje, em Bruxelas, num encontro durante o qual abordarão a situação na Síria e a "diplomacia do clima", à luz das conferências celebradas recentemente em Paris e em Londres.

JULIEN WARNAND

No seguimento da Conferência de Paris sobre o Clima, os chefes de diplomacia da União Europeia , entre os quais o ministro Augusto Santos Silva, "debaterão formas de assegurar a continuidade dos esforços conjuntos das diplomacias europeias que se revelaram instrumentais para a obtenção do acordo na COP 21 em Paris", refere uma nota do ministério dos Negócios Estrangeiros.

Outro assunto incontornável desde há muito nas reuniões dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE é a Síria, com os 28 a fazerem hoje um balanço da conferência de doadores para a Síria, na qual Santos Silva participou a 04 de fevereiro, em Londres, e dos esforços da União Europeia e dos seus Estados-membros para a estabilização do país e da região.

Da agenda da reunião de hoje constam ainda debates sobre a Moldova e a Bielorrússia, com os 28 da UE a fazerem uma análise da situação política e económica destes países e o seu relacionamento com a União Europeia.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.