sicnot

Perfil

Mundo

Mísseis atingem hospital e escola na Síria, pelo menos 14 mortos

Um ataque aéreo atingiu um hospital e uma escola na cidade síria de Azaz, província de Idlib, perto da fronteira com a Turquia. Pelo menos 14 pessoas morreram e 30 ficaram feridas. O primeiro-ministro turco acusa a Rússia pelo ataque.

A organização Médicos Sem Fronteiras publicou no Twitter uma foto do hospital bombardeado.

A organização Médicos Sem Fronteiras publicou no Twitter uma foto do hospital bombardeado.

O hospital, mantido pela organização não governamental Médicos Sem Fronteiras, foi alvo de quatro mísseis, afirma a MSF numa publicação no Twitter. A organização diz que oito elementos estão desaparecidos desde o ataque em Maarat al- Numan, mas não identifica quem foi o responsável.

"O hospital foi atingido quatro vezes em duas séries de pelo menos dois ataques com intervalos de poucos minutos", escreve a MSF.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, citado pela Associated Press, há 10 mortos, entre os quais três crianças e uma mulher grávida.

PM turco acusa a Rússia

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, afirma que foi um míssil balístico russo que atingiu o hospital e a escola, matando muitos civis incluindo crianças.

Davutoglu está de visita à Ucrânia onde acusou ainda a Rússia e a milícia curda de terem fechado o corredor humanitário a norte de Aleppo.

EM ATUALIZAÇÃO

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.