sicnot

Perfil

Mundo

Choque de comboios na Alemanha foi provocado por erro humano

O acidente ferroviário que fez 11 mortos na semana passada no sul da Alemanha foi provocado por erro humano, confirmaram hoje as autoridades alemãs, indicando ainda que um funcionário responsável pela sinalização está acusado de homicídio por negligência.

© Michael Dalder / Reuters

"Não existe qualquer indicação de problemas técnicos. A nossa investigação mostrou que foi um erro humano com consequências catastróficas", disse Wolfgang Giese, procurador responsável pela investigação, numa conferência de imprensa realizada pela comissão de inquérito ao acidente da passada terça-feira.

O funcionário responsável pela sinalização no dia do acidente é apontado como o principal responsável e está acusado de homicídio por negligência, lesões ou interferência perigosa no tráfego ferroviário.

"Se ele tivesse respeitado as regras (...) não teria existido nenhuma colisão entre comboios", reforçou o procurador.

Na semana passada, vários media alemães, citando então "fontes próximas do inquérito", já tinham avançado que um erro humano estaria na origem da colisão.

O choque frontal entre dois comboios regionais ocorreu às primeiras horas da manhã do passado dia 9 de fevereiro na linha que liga Rosenheim a Holzkirchen, uma zona de floresta situada a cerca de 60 quilómetros a sudeste de Munique, capital da Baviera.

O acidente causou 11 mortos, cerca de 20 feridos graves e mais de 60 feridos ligeiros.

O funcionário ferroviário, que permitiu que os dois comboios oriundos de direções opostas viajassem na mesma via, fez uma chamada de emergência depois de ter percebido o erro, segundo afirmou outro procurador, Juergen Branz, na mesma conferência de imprensa.

"Mas não obteve resposta", referiu Juergen Branz, acrescentando que a polícia submeteu o funcionário a uma análise de sangue no dia do acidente. Segundo os resultados das análises, o funcionário não estava sob efeito de álcool ou drogas.

O funcionário, que tem vários anos de experiência profissional, admitiu o erro na segunda-feira, segundo indicação do procurador Wolfgang Giese.

O mesmo magistrado esclareceu que o homem de 39 anos não foi colocado em regime de prisão preventiva, mas sim enviado, após consultas com os advogados de defesa, para um lugar seguro, cuja localização não foi revelada.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.