sicnot

Perfil

Mundo

Choque de comboios na Alemanha foi provocado por erro humano

O acidente ferroviário que fez 11 mortos na semana passada no sul da Alemanha foi provocado por erro humano, confirmaram hoje as autoridades alemãs, indicando ainda que um funcionário responsável pela sinalização está acusado de homicídio por negligência.

© Michael Dalder / Reuters

"Não existe qualquer indicação de problemas técnicos. A nossa investigação mostrou que foi um erro humano com consequências catastróficas", disse Wolfgang Giese, procurador responsável pela investigação, numa conferência de imprensa realizada pela comissão de inquérito ao acidente da passada terça-feira.

O funcionário responsável pela sinalização no dia do acidente é apontado como o principal responsável e está acusado de homicídio por negligência, lesões ou interferência perigosa no tráfego ferroviário.

"Se ele tivesse respeitado as regras (...) não teria existido nenhuma colisão entre comboios", reforçou o procurador.

Na semana passada, vários media alemães, citando então "fontes próximas do inquérito", já tinham avançado que um erro humano estaria na origem da colisão.

O choque frontal entre dois comboios regionais ocorreu às primeiras horas da manhã do passado dia 9 de fevereiro na linha que liga Rosenheim a Holzkirchen, uma zona de floresta situada a cerca de 60 quilómetros a sudeste de Munique, capital da Baviera.

O acidente causou 11 mortos, cerca de 20 feridos graves e mais de 60 feridos ligeiros.

O funcionário ferroviário, que permitiu que os dois comboios oriundos de direções opostas viajassem na mesma via, fez uma chamada de emergência depois de ter percebido o erro, segundo afirmou outro procurador, Juergen Branz, na mesma conferência de imprensa.

"Mas não obteve resposta", referiu Juergen Branz, acrescentando que a polícia submeteu o funcionário a uma análise de sangue no dia do acidente. Segundo os resultados das análises, o funcionário não estava sob efeito de álcool ou drogas.

O funcionário, que tem vários anos de experiência profissional, admitiu o erro na segunda-feira, segundo indicação do procurador Wolfgang Giese.

O mesmo magistrado esclareceu que o homem de 39 anos não foi colocado em regime de prisão preventiva, mas sim enviado, após consultas com os advogados de defesa, para um lugar seguro, cuja localização não foi revelada.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.