sicnot

Perfil

Mundo

Fracassa a moção de censura contra o Governo ucraniano

O Governo ucraniano, liderado por Arseni Yatseniuk, superou hoje no parlamento a moção de censura apoiada por muitos dos deputados da coligação governamental e recomendada pelo presidente do país, Petro Poroshenko.

Primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk (Reuters)

Primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk (Reuters)

REUTERS

Um total de 194 deputados votou a favor do projeto de moção, mas eram necessários pelo menos 226 votos.

O primeiro-ministro, no entanto, sai fragilizado desta sessão parlamentar, já que menos de 300 deputados (de um total de 450) participaram na votação.

Além disso, grande parte dos deputados que apoiam a maioria governamental (pelo menos os presentes na sessão), e com a exceção da Frente Popular, de Yatseniuk, votou a favor da moção de censura.

Surpreendentemente, a maioria dos deputados do pró-russo Bloco Opositor deixou a sala antes da votação.

"Os resultados da votação de hoje, que não levaram à demissão do governo, deixaram, contudo, claro que o Governo não tem o apoio do parlamento, nem pode avançar com projetos de lei", disse Yuri Lutsenko, líder da oposição.

Nos termos da legislação ucraniana, a próxima moção de censura só pode ser apresentada a partir de setembro, quando o parlamento reiniciar a sua atividade após as férias de verão.

Um pouco antes, o Presidente da Ucrânia recomendara ao Governo que se demitisse, por a "sociedade ter retirado a confiança" ao seu gabinete.

"A sociedade decidiu, claramente, que houve mais erros do que decisões acertadas. E é claro que as reformas só podem ser realizadas por um Governo que tenha a confiança dos cidadãos. Para restaurar a confiança, não basta terapia, é necessária cirurgia", disse Poroshenko num discurso à nação.

Por seu lado, falando durante a apresentação dos relatórios anuais da administração do Governo, Yatseniuk sublinhou não ter intenção de renunciar e disse que o seu executivo "está pronto" para continuar a trabalhar sobre as reformas de que o país necessita.

Lusa

  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.