sicnot

Perfil

Mundo

Fracassa a moção de censura contra o Governo ucraniano

O Governo ucraniano, liderado por Arseni Yatseniuk, superou hoje no parlamento a moção de censura apoiada por muitos dos deputados da coligação governamental e recomendada pelo presidente do país, Petro Poroshenko.

Primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk (Reuters)

Primeiro-ministro ucraniano, Arseni Iatseniuk (Reuters)

REUTERS

Um total de 194 deputados votou a favor do projeto de moção, mas eram necessários pelo menos 226 votos.

O primeiro-ministro, no entanto, sai fragilizado desta sessão parlamentar, já que menos de 300 deputados (de um total de 450) participaram na votação.

Além disso, grande parte dos deputados que apoiam a maioria governamental (pelo menos os presentes na sessão), e com a exceção da Frente Popular, de Yatseniuk, votou a favor da moção de censura.

Surpreendentemente, a maioria dos deputados do pró-russo Bloco Opositor deixou a sala antes da votação.

"Os resultados da votação de hoje, que não levaram à demissão do governo, deixaram, contudo, claro que o Governo não tem o apoio do parlamento, nem pode avançar com projetos de lei", disse Yuri Lutsenko, líder da oposição.

Nos termos da legislação ucraniana, a próxima moção de censura só pode ser apresentada a partir de setembro, quando o parlamento reiniciar a sua atividade após as férias de verão.

Um pouco antes, o Presidente da Ucrânia recomendara ao Governo que se demitisse, por a "sociedade ter retirado a confiança" ao seu gabinete.

"A sociedade decidiu, claramente, que houve mais erros do que decisões acertadas. E é claro que as reformas só podem ser realizadas por um Governo que tenha a confiança dos cidadãos. Para restaurar a confiança, não basta terapia, é necessária cirurgia", disse Poroshenko num discurso à nação.

Por seu lado, falando durante a apresentação dos relatórios anuais da administração do Governo, Yatseniuk sublinhou não ter intenção de renunciar e disse que o seu executivo "está pronto" para continuar a trabalhar sobre as reformas de que o país necessita.

Lusa

  • PSD e CDS têm caminhos diferentes
    1:22

    País

    Assunção Cristas já respondeu a Pedro Passos Coelho, depois de o líder do PSD ter recusado apoiar a candidatura da líder do CDS à Câmara de Lisboa. Cristas diz que os dois partidos têm caminhos diferentes. O PSD continua sem apresentar candidato. Contudo, Marques Mendes revelou que Passos Coelho convidou José Eduardo Moniz a candidatar-se à Câmara de Lisboa.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.