sicnot

Perfil

Mundo

Leopardo que feriu seis pessoas numa escola na Índia volta a fugir

No início do mês, um leopardo feriu seis pessoas numa escola na Índia. Estava em tratamento no Parque Nacional de Bannerghatta e voltou a fugir no passado domingo.

© Fayaz Kabli / Reuters

Ainda não há certezas, mas calcula-se que o animal tenha fugido por um dos tratadores não ter trancado devidamente a jaula, segundo o que noticia a BBC Brasil.

As autoridades indianas dizem que não há motivos para preocupação e os guardas florestais começam, agora, a visitar as aldeias nas redondezas no parque para tranquilizar os moradores.

Foi no passado dia 7 que o leopardo invadiu a escola Vibgyor International. Só ao fim de 12 horas é que o felino foi capturado. Entretanto, seis pessoas ficaram feridas, incluindo funcionários da escola.

Foi aberta uma investigação para se apurar o acontecimento.

  • Leopardo fere seis pessoas numa escola na Índia
    0:40

    Mundo

    Um leopardo macho entrou numa escola na cidade indiana de Bangalore e feriu as seis pessoas que o tentaram capturar. Já não é a primeira vez que animais deste porte são vistos a vaguear perto de casas e escolas. As imagens de videovigilância mostram o leopardo a passear pelos corredores da escola.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.