sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Ucrânia pede a demissão do primeiro-ministro

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, pediu esta terça-feira a demissão do seu primeiro-ministro, Arseni Iatseniuk, e do procurador-geral, ambos alvo de fortes críticas pela demora na aplicação de reformas.

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

A fortuna de Petro Poroshenko é estimada pela revista Novoie Vremia em 979 milhões de dólares (895 milhões de euros).

© Gleb Garanich / Reuters

"O presidente apelou ao procurador-geral e ao primeiro-ministro que se afastem para restaurar a confiança no poder", escreveu o porta-voz do presidente, Sviatoslav Tsegolko, na sua conta na rede social Twitter.

Cabe ao parlamento ucraniano, Rada Suprema, decidir o futuro dos dois responsáveis.

Segundo a agência noticiosa France Presse, Poroshenko tem afastado a hipótese de convocar legislativas antecipadas, defendendo que a atual coligação pró-ocidental deve formar um novo governo.

Iatseniuk, no cargo há dois anos, tem sido fortemente criticado nos últimos meses pela insuficiência das reformas prometidas e por alegadamente defender os interesses dos oligarcas e pode enfrentar uma moção de censura.

O procurador-geral, Viktor Shokin, é um colaborador próximo do presidente criticado pela falta de ação contra a corrupção e a sua demissão é exigida há muito internamente e, segundo a imprensa ucraniana, também pelos países ocidentais aliados do governo de Kiev.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.