sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro grego recebe presidente do Conselho Europeu

A reunião entre Alexis Tsipras e Donald Tusk acontece numa altura em que a Grécia diz que estão prontos a funcionar quatro dos cinco Centros de Identificação e Triagem de Refugiados. A abertura dos centros esteve prevista para o outono passado, mas foi adiada até agora.

Primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, recebe presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

Primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, recebe presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

© Alkis Konstantinidis / Reuter

Os centros vão abrir nas ilhas de Lesbos, Chios, Leros e Samos. O quinto, em Kos, onde uma parte da população ofereceu resistência, estará pronto "dentro de cinco dias", prometeu Kammenos durante uma conferência de imprensa.

Ainda no domingo, cerca de 2.000 pessoas concentraram-se perto da localidade grega de Pyli para protestar contra a construção de um centro de triagem e registo de migrantes, segundo números das autoridades da ilha de Kos.

Segundo os meios de comunicação locais, as forças antimotim utilizaram gás lacrimogéneo para dispersar dezenas de manifestantes que tentaram aceder à obra, a 10 quilómetros do porto.

Há semanas que as autoridades locais e os habitantes de Kos protestam contra a criação deste centro na ilha, receando efeitos negativos no setor do turismo.

Kos recebe anualmente milhares de visitantes, sobretudo britânicos, alemães e escandinavos.

Várias ilhas gregas do Mar Egeu, situadas perto da costa turca, são a principal porta de entrada de migrantes na Europa.

Sob pressão da União Europeia, que quer conter o fluxo de migrantes, a Grécia comprometeu-se a instalar em cinco ilhas centros de registo, até à realização da cimeira de Bruxelas, que se realiza esta semana, destinada à questão migratória, mas o de Kos atrasou-se devido à polémica que tem suscitado.

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11