sicnot

Perfil

Mundo

Quatro jornalistas norte-americanos presos no Bahrein

Quatro jornalistas norte-americanos foram detidos no Bahrein no domingo, dia do quinto aniversário da revolta de 14 de fevereiro de 2011 no pequeno reino do Golfo, anunciaram autoridades e a família de um dos repórteres.

© Hamad I Mohammed / Reuters


Em Washington, o Departamento de Estado declarou estar "ao corrente de informações segundo as quais cidadãos norte-americanos foram presos", mas recusou tecer qualquer comentário "por motivos de ordem particular".

A polícia de Manama, que anunciou na segunda-feira a detenção dos quatro jornalistas, também não revelou dados sobre as suas identidades nem os órgãos de comunicação para os quais trabalham.

Os jornalistas foram detidos em Sitra, um subúrbio de Manama de maioria xiita, que constitui um dos bastiões da contestação contra a dinastia sunita no poder no Bahrein.

Confrontos entre manifestantes e as forças de segurança foram registados no domingo em Sitra, segundo a agência oficial BNA.

Entraram no país a 11 e 12 de fevereiro como turistas "alguns" norte-americanos que "exerceram o trabalho jornalístico sem autorização", indicou a polícia, que os acusou de ter "cometido atos contrários à lei".

O caso foi enviado para o Ministério Público.

Em Washington, a família da jornalista Anna Therese Day divulgou um comunicado a confirmar a detenção da jovem, que trabalhou no Médio Oriente, no norte de África, na Índia, no Brasil e no México para órgãos como o New York Times, CNN e Al-Jazeera, em que pede a sua libertação o mais rapidamente possível.

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.