sicnot

Perfil

Mundo

Rússia nega ataque a hospitais síros e acusa coligação internacional

A Rússia "recusa categoricamente" a acusação de que bombardeou hospitais na Síria, um dos quais apoiado pelos Médicos Sem Fronteiras, e responsabiliza a coligação internacional pelo ataque, afirmou hoje o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

reuters

"Recusamos categoricamente e não aceitamos essas declarações", respondeu Peskov a uma pergunta sobre se aviões russos bombardearam na segunda-feira dois hospitais na Síria.

"Aqueles que fazem essas alegações são sempre incapazes de prová-las", acrescentou.

"Neste caso, há que ter em conta o que diz a fonte primária, que para nós são as autoridades sírias", disse Peskov, referindo-se a declarações do embaixador sírio em Moscovo, Riad Hadad, que acusou a coligação internacional do ataque ao hospital.

O hospital de Maarat al-Nuaman, no norte da Síria, apoiado pela MSF, "foi destruído na realidade pelas forças aéreas dos Estados Unidos", disse o embaixador à televisão russa na segunda-feira.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos responsabilizou as forças russas pelos ataques, afirmando determinar os autores de ataques -- sírios, russos ou da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos - com base no local do ataque, padrões de voo e tipo de avião.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.