sicnot

Perfil

Mundo

Suspeitos do atentado de agosto em Banguecoque presentes a tribunal

Os dois acusados pelo atentado à bomba de agosto passado em Banguecoque, que causou 20 mortos e uma centena de feridos, foram hoje presentes a um tribunal militar da Tailândia.

Suspeitos do atentado de agosto em Banguecoque presentes a tribunal

Suspeitos do atentado de agosto em Banguecoque presentes a tribunal

© Chaiwat Subprasom / Reuters

Os suspeitos -- Mohamad Bilal e Yusufu Mieraili -- chegaram com as mãos e os pés algemados ao tribunal, onde, em novembro último, receberam dez acusações, incluindo conspiração, homicídio premeditado e posse de explosivos.

Segundo a polícia, durante a investigação ambos admitiram a sua participação no atentado de 17 de agosto, mas na segunda-feira o seu advogado disse à imprensa que as confissões foram obtidas sob tortura.

Os acusados, identificados pelas autoridades como uigures, a minoria muçulmana da região chinesa do Xinjiang, são os únicos detidos pelo atentado que a polícia considera ter sido uma represália de grupos de crime organizado relativamente a uma suposta campanha contra o tráfico de seres humanos.

A investigação, com irregularidades e declarações contraditórias por parte da polícia e da junta militar, alimentou uma série de especulações sobre os motivos por detrás do atentado, cuja autoria não foi reivindicada.

Uma das teorias ligava o ato terrorista à deportação para a China, semanas antes, de uma centena de uigures que esperavam poder viajar para a Turquia em busca de asilo, hipótese alimentada por o templo onde ocorreu o ataque ser muito popular entre os turistas chineses.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão