sicnot

Perfil

Mundo

Vocalista dos Eagles of Death Metal defende "acesso universal" às armas de fogo

O vocalista dos Eagles of Death Metal defende o "acesso universal" às armas de fogo. Jesse Hughes atuava na sala de espetáculos Bataclan, em Paris, na noite dos ataques de 13 de novembro.

O grupo rock norte-americano liderado por Jesse Hughes (na imagem) vai tocar na emblemática sala de espetáculos parisiense Olympia no próximo dia 16 de fevereiro. (Arquivo)

O grupo rock norte-americano liderado por Jesse Hughes (na imagem) vai tocar na emblemática sala de espetáculos parisiense Olympia no próximo dia 16 de fevereiro. (Arquivo)

Barry Brecheisen / AP

Em entrevista à estação de televisão francesa iTéle, Hughes emocionou-se ao relembrar a noite dos atentados nos quais morreram 89 pessoas, às mãos do Daesh.

"O vosso controlo de armas em França impediu que uma única pessoa morresse no Bataclan?", questionou.

"Penso que a única coisa que impediu mais mortes foi a ação dos homens mais corajosos que já vi na miha vida, que diante da morte se atiraram com as suas armas de fogo. Sei que as pessoas não concordam comigo, mas parece-me que Deus fez o homem e a mulher e naquela noite as armas tornaram-se iguais. Odeio que seja assim. Penso que a única forma em que o meu pensamento se alterou é achar que toda a gente tem de ter armas", declarou o vocalista da banda da Califórnia.

Meses após os atentados, Hughes confessa ainda ter pesadelos "acordado".

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.