sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas chineses estudam ondas gravitacionais

Cientistas chineses revelaram três projetos separados para investigar o fenómeno das ondas gravitacionais, avançou hoje a imprensa estatal, dias após os Estados Unidos terem revelado descobertas que confirmam sua existência.

REUTERS

Os cientistas sublinharam que a pesquisa dará à China - que tem um programa espacial orçamentado em milhares de milhões de dólares e que Pequim vê como símbolo do progresso do país - a oportunidade de se tornar líder mundial nesta área.

O físico teórico alemão Albert Einstein (1879-1955) defendeu, na teoria da relatividade geral, que o celebrizou, que os objetos que se movem no Universo produzem ondulações no espaço-tempo e que estas se propagam pelo espaço.

A demonstração direta deste fenómeno das ondas gravitacionais foi anunciada por cientistas norte-americanos na semana passada.

A Academia Chinesa de Ciência apresentou, entretanto, uma proposta para um projeto de deteção de ondas gravitacionais, avançou a agência oficial Xinhua.

O programa, batizado Taiji, simbolizando a filosofia chinesa que refere a força que gere a partir do vazio (Wuji) as energias opostas complementares Yin e Yang, quer lançar satélites para a órbita da terra.

Separadamente, a Universidade Sun Yat-sen, situada em Cantão, propôs também o lançamento de satélites para o espaço, enquanto o instituto High Energy Physics sugeriu desenvolver um sistema terrestre a partir do Tibete.

Os projetos dependem agora da aprovação do Governo chinês, disse a Xinhua.

Citado pelo jornal oficial Diário do Povo, o físico chinês Hu Wenrui afirmou que se a "China lançar os seus próprios satélites, poderá tornar-se líder mundial" na pesquisa de ondas gravitacionais.

O sucesso "dependerá da resolução dos decisores políticos e do investimento feito pelo país", acrescentou.

Na semana passada, cientistas do Observatório de Interferometria Laser de Ondas Gravitacionais dos EUA (LIGO) disseram ter conseguido, pela primeira vez, ouvir e gravar o som de dois buracos negros a colidirem a mil milhões de anos-luz de distância, produzindo ondas gravitacionais.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.