sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas chineses estudam ondas gravitacionais

Cientistas chineses revelaram três projetos separados para investigar o fenómeno das ondas gravitacionais, avançou hoje a imprensa estatal, dias após os Estados Unidos terem revelado descobertas que confirmam sua existência.

REUTERS

Os cientistas sublinharam que a pesquisa dará à China - que tem um programa espacial orçamentado em milhares de milhões de dólares e que Pequim vê como símbolo do progresso do país - a oportunidade de se tornar líder mundial nesta área.

O físico teórico alemão Albert Einstein (1879-1955) defendeu, na teoria da relatividade geral, que o celebrizou, que os objetos que se movem no Universo produzem ondulações no espaço-tempo e que estas se propagam pelo espaço.

A demonstração direta deste fenómeno das ondas gravitacionais foi anunciada por cientistas norte-americanos na semana passada.

A Academia Chinesa de Ciência apresentou, entretanto, uma proposta para um projeto de deteção de ondas gravitacionais, avançou a agência oficial Xinhua.

O programa, batizado Taiji, simbolizando a filosofia chinesa que refere a força que gere a partir do vazio (Wuji) as energias opostas complementares Yin e Yang, quer lançar satélites para a órbita da terra.

Separadamente, a Universidade Sun Yat-sen, situada em Cantão, propôs também o lançamento de satélites para o espaço, enquanto o instituto High Energy Physics sugeriu desenvolver um sistema terrestre a partir do Tibete.

Os projetos dependem agora da aprovação do Governo chinês, disse a Xinhua.

Citado pelo jornal oficial Diário do Povo, o físico chinês Hu Wenrui afirmou que se a "China lançar os seus próprios satélites, poderá tornar-se líder mundial" na pesquisa de ondas gravitacionais.

O sucesso "dependerá da resolução dos decisores políticos e do investimento feito pelo país", acrescentou.

Na semana passada, cientistas do Observatório de Interferometria Laser de Ondas Gravitacionais dos EUA (LIGO) disseram ter conseguido, pela primeira vez, ouvir e gravar o som de dois buracos negros a colidirem a mil milhões de anos-luz de distância, produzindo ondas gravitacionais.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.