sicnot

Perfil

Mundo

Dote dispara na China rural

O dote de casamento, pré-requisito essencial para selar o matrimónio na China rural, tem-se tornado um encargo demasiado grande para as famílias face à crescente exigência das noivas, segundo uma reportagem publicada num jornal estatal.

O dote de casamento, pré-requisito essencial para selar o matrimónio na China rural, tem-se tornado um encargo demasiado grande para as famílias face à crescente exigência das noivas, segundo uma reportagem publicada num jornal estatal.

O dote de casamento, pré-requisito essencial para selar o matrimónio na China rural, tem-se tornado um encargo demasiado grande para as famílias face à crescente exigência das noivas, segundo uma reportagem publicada num jornal estatal.

© Aly Song / Reuters

Em Xincai, aldeia rural da província de Henan, o 'preço de uma esposa' disparou nos últimos cinco anos de 66.000 yuan (9.000 euros) para mais de 100.000 yuan (13.750 euros), relata o Global Times.

"Em média, as famílias locais ganham apenas alguns milhares de yuan por ano na agricultura, pelo que juntar dinheiro para o dote leva muito tempo", explica aquele diário do Partido Comunista Chinês (PCC).

A escalada dos preços levou muitos homens a procurar trabalho nas prósperas cidades do litoral, como forma de amealhar dinheiro que baste para 'seduzir' as moças da terra.

No entanto, "muitos descobrem ao regressar que o que ganharam é insuficiente para encontrar uma mulher", lê-se no artigo.

Uma família de Xincai, por exemplo, terá já oferecido à pretendida do seu filho 20.000 yuan (2.750 euros) em prendas monetárias, mas ela "continua livre de se encontrar com outros homens", conta o Global Times.

"A única forma de selar o acordo é oferecer um montante avultado", acrescenta o jornal.

Mas o dote é apenas a última parcela de um investimento maior: primeiro, é necessário comprar uma casa; e a seguir obter os "três objetos dourados" - anéis, um colar e brincos de ouro.

Um residente de Xincai, identificado pelo Global Times como Xu, já fez as contas: "Encontrar uma nora leva muitas famílias à falência".

A 'vantagem negocial' das mulheres é também resultado de persistentes "tradições feudais" e três décadas da política de filho único, que geraram um excedente de 33 milhões de homens na China.

As estatísticas oficiais falam por si: no final de 2014, a China tinha cerca de 700 milhões de homens e 667 milhões de mulheres e a diferença, à nascença, era de 115,8 rapazes por 100 raparigas.

Segundo a tradição chinesa, são os pais que transmitem o nome da família à geração seguinte, enquanto o apelido das mães não passa para os filhos.

Como resultado, a maioria dos abortos feitos no país - 336 milhões desde 1971, segundo dados oficiais chineses - ocorreram com fetos do sexo feminino.

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.