sicnot

Perfil

Mundo

Elefante atacou três veículos com turistas no sul da China

As autoridades do sul da China procuram controlar desde a semana passada um elefante selvagem que nos últimos dias atacou três veículos que transportavam turistas, após cruzar os limites da reserva natural onde habita.

Reuters

Zhusunya, um dos 150 elefantes da reserva natural de Yexianggu, situada na província de Yunnan, insiste em sair para as estradas, atacando automóveis.

O último incidente, ocorrido na segunda-feira, parece não ter deixado vítimas, mas resultou em vinte carros danificados, segundo a agência oficial chinesa Xinhua.

A polícia retirou os turistas e cortou o trânsito na zona afetada.

O animal, entretanto, decidiu voltou a reserva esta noite.

Já no passado fim de semana Zhusunya provocou danos a outros vinte veículos estacionados nas proximidades da reserva, que não tem qualquer barreira física.

Segundo os responsáveis de Yexianggu, o paquiderme poderá estar chateado por não ter encontrado uma companheira, enquanto outras fontes citadas pela agência oficial Xinhua culpam o aumento do fluxo de turistas por altura do Ano Novo Lunar.

Durante este período, a maior festa das famílias chinesas, milhões de pessoas viajam por todo o país, naquele que é conhecido como o maior movimento migratório interno do mundo.

Com 10.000 metros quadrados, a reserva de Yexianggu é um dos principais destinos turísticos da região de Yunnan, no sudoeste da China.

Nos últimos anos, o "gigante" asiático converteu-se no centro mundial de comércio ilegal de marfim, cuja demanda põe em perigo a sobrevivência dos elefantes.

Ainda assim, o país protege os direitos destes animais no sul de Yunnan.

A ausência de barreiras físicas na reserva já levou os elefantes a entrar em campos agrícolas próximos para procurar comida, gerando conflitos com os camponeses, e inclusive matam duas pessoas, em média, todos os anos, segundo dados oficiais.

Em alguns casos, o Governo chinês ofereceu indemnizações de até 10 milhões de yuan (1,3 milhões de euros), mas as lutas entre os homens e o animal persistem.

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.