sicnot

Perfil

Mundo

Instituto Jacques Delors abre arquivo privado do ex-presidente da Comissão Europeia

O Instituto Jacques Delors abriu hoje ao público os arquivos privados entre 1984 e 1994 do seu fundador e antigo presidente da Comissão Europeia, no dia em que se assinalam os 30 anos do Ato Único Europeu.

Jacques Delors, ex-presidente da Comissão Europeia.

Jacques Delors, ex-presidente da Comissão Europeia.

© Jean-Paul Pelissier / Reuters (Arquivo)

O acervo, destaca o 'think tank' em comunicado, é composto por textos de intervenções de Jacques Delors, entrevistas e artigos de imprensa, notas preparatórias e relatórios de encontros de alto nível mantidos pelo 8.º presidente da Comissão Europeia.

O político francês, nascido a 20 de julho de 1925, é considerado o grande reformista do bloco europeu, tendo sido responsável pela entrada em vigor do Ato Único Europeu (em 1987) - que originou o mercado interno - e do Tratado de Maastricht (1993), que criou a União Europeia.

O Ato Único Europeu, assinado no Luxemburgo a 17 de fevereiro de 1986, relançou o processo de construção europeia para a conclusão do mercado interno, então definido como "um espaço sem fronteiras internas, no qual a livre circulação das mercadorias, das pessoas, dos serviços e dos capitais é assegurada".

Os arquivos agora tornados públicos incluem ainda documentação sobre o processo da União Económica e Monetária e a criação da moeda única, bem como sobre a reunificação alemã e o desmembramento da União Soviética, entre outros.

O Instituto Jacques Delors é atualmente presidido pelo antigo vice-primeiro-ministro de António Guterres e ex-comissário europeu para a Justiça e Assuntos Internos António Vitorino.

Jacques Delors esteve dez anos à frente da Comissão Europeia (1985-1995), recorde apenas igualado por José Manuel Durão Barroso (2004-2014).

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.