sicnot

Perfil

Mundo

Novo balanço aponta para 25 mortos no bombardeamento a um hospital na Síria

Pelo menos 25 pessoas morreram no bombardeamento de um hospital apoiado pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF), no noroeste da Síria, esta semana, disse hoje a organização não-governamental (ONG).

Nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

Nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

© Omar Sanadiki / Reuters

Ao rever em alta o balanço inicial de 11 mortos, uma porta-voz da MSF informou que nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

O bombardeamento causou pelo menos 11 feridos, incluindo dez funcionários do hospital, acrescentou.

A MSF não atribuiu qualquer responsabilidade pelo ataque, mas o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com sede em Londres, afirmou que o hospital foi alvo de um ataque aéreo russo.

Moscovo, que tem efetuado ataques aéreos para apoiar as forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, desde setembro, negou qualquer responsabilidade.

Pelo menos 50 pessoas morreram no bombardeamento, no início da semana, que vários governos ocidentais já condenaram.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.