sicnot

Perfil

Mundo

Novo balanço aponta para 25 mortos no bombardeamento a um hospital na Síria

Pelo menos 25 pessoas morreram no bombardeamento de um hospital apoiado pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF), no noroeste da Síria, esta semana, disse hoje a organização não-governamental (ONG).

Nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

Nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

© Omar Sanadiki / Reuters

Ao rever em alta o balanço inicial de 11 mortos, uma porta-voz da MSF informou que nove funcionários hospitalares e 16 outras pessoas, incluindo doentes e uma criança, morreram na sequência do bombardeamento do hospital, na segunda-feira, na província de Idleb.

O bombardeamento causou pelo menos 11 feridos, incluindo dez funcionários do hospital, acrescentou.

A MSF não atribuiu qualquer responsabilidade pelo ataque, mas o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com sede em Londres, afirmou que o hospital foi alvo de um ataque aéreo russo.

Moscovo, que tem efetuado ataques aéreos para apoiar as forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, desde setembro, negou qualquer responsabilidade.

Pelo menos 50 pessoas morreram no bombardeamento, no início da semana, que vários governos ocidentais já condenaram.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.