sicnot

Perfil

Mundo

"Onde está o meu umbigo?"

Um mulher de Houston, EUA, acordou sem umbigo após uma cirurgia plástica ao abdómen. Garante que vai processar o médico.

abc7

abc7

abc7

"Onde está o meu umbigo? Entrei com o meu umbigo e gostava de saber o que fez com ele", questionou Lori Jones, 45 anos, ao cirurgião Younan Nowzardan.

Jones conta à abc7 que juntou dinheiro para poder fazer alguns melhoramentos ao seu corpo, depois de múltiplas cesarianas. Entre eles, a remoção de uma hérnia umbilical e o alisamento da barriga. Depois de várias consultas e alguma pesquisa, acabou por escolher Younan Nowzardan, conhecido mundialmente e especializado no bypass gástrico em pacientes obesos.

"Como tinha o adesivo cirúrgico e a gaze, não conseguia ver a incisão, portanto pensei que tinha umbigo!", conta Jones. A paciente diz que, antes da cirurgia, não foi informada pelo médico dos riscos de poder vir a perder o umbigo.

A versão de Nowzardan é diferente.

"Nós dissemos-lhe antes, porque ela tinha feito uma cirurgia anterirmente naquela região e tinha uma cicatriz. E não havia maneira de salvar aquela zona. Podemos chamar Hollywood e nomeá-la para um Óscar", diz.

Segundo o cirurgião, após seis meses é possível recriar um umbigo, se Jones quiser. A paciente já declinou, no entanto, e afirma que o assunto vai ser tratado em tribunal.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.