sicnot

Perfil

Mundo

Talibãs recrutam crianças-soldados para as suas fileiras no Afeganistão

Os talibãs recrutam no Afeganistão crianças-soldados, alguns dos quais com seis anos, que preparam durante longos anos para o combate, denunciou hoje a organização Human Rights Watch (HRW) num relatório.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

© Mohammad Ismail / Reuters

A informação foi rejeitada pelos talibãs, que asseguram apenas recrutar combatentes com "maturidade mental e física".

"O recrutamento de crianças para as fileiras do emirado islâmico é estritamente proibida", adiantam num comunicado divulgado hoje.

A organização de defesa dos direitos humanos afirma que os talibãs recrutam ativamente jovens rapazes, que treinam para operações militares, como o manuseamento de engenhos explosivos artesanais.

"A estratégia aparente dos talibãs que consiste em lançar um número crescente de crianças no campo de batalha é, além de ilegal, cínica e cruel", considerou Patricia Gossman, investigadora no Afeganistão para a HRW.

A organização revelou que no norte do Afeganistão, nomeadamente na província de Kunduz, os talibãs utilizam cada vez mais as escolas religiosas, as madrassas, para o treino militar das crianças.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

Em Chahardara, distrito da província de Kunduz, mais de 100 crianças foram recrutadas e destacadas pelos talibãs em 2015, segundo a HRW, citando habitantes.

Há anos que os grupos de defesa dos direitos humanos alertam para o fenómeno nas fileiras dos talibãs, mas também das milícias pró-governamentais.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.