sicnot

Perfil

Mundo

Talibãs recrutam crianças-soldados para as suas fileiras no Afeganistão

Os talibãs recrutam no Afeganistão crianças-soldados, alguns dos quais com seis anos, que preparam durante longos anos para o combate, denunciou hoje a organização Human Rights Watch (HRW) num relatório.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

© Mohammad Ismail / Reuters

A informação foi rejeitada pelos talibãs, que asseguram apenas recrutar combatentes com "maturidade mental e física".

"O recrutamento de crianças para as fileiras do emirado islâmico é estritamente proibida", adiantam num comunicado divulgado hoje.

A organização de defesa dos direitos humanos afirma que os talibãs recrutam ativamente jovens rapazes, que treinam para operações militares, como o manuseamento de engenhos explosivos artesanais.

"A estratégia aparente dos talibãs que consiste em lançar um número crescente de crianças no campo de batalha é, além de ilegal, cínica e cruel", considerou Patricia Gossman, investigadora no Afeganistão para a HRW.

A organização revelou que no norte do Afeganistão, nomeadamente na província de Kunduz, os talibãs utilizam cada vez mais as escolas religiosas, as madrassas, para o treino militar das crianças.

A doutrinação pode começar a partir dos seis anos. O treino militar prolonga-se por sete anos e os rapazes vão para o terreno aos 13.

Em Chahardara, distrito da província de Kunduz, mais de 100 crianças foram recrutadas e destacadas pelos talibãs em 2015, segundo a HRW, citando habitantes.

Há anos que os grupos de defesa dos direitos humanos alertam para o fenómeno nas fileiras dos talibãs, mas também das milícias pró-governamentais.

Lusa

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.