sicnot

Perfil

Mundo

Portugal emite aviso aos viajantes para crise militar no centro de Moçambique

As autoridades portuguesas emitiram hoje um aviso aos viajantes no centro de Moçambique devido à crise político-militar entre o executivo moçambicano e o maior partido de oposição, Renamo, anunciou o Consulado-Geral de Portugal em Maputo.

© Grant Neuenburg / Reuters

"Persistem tensões político-militares entre o Governo moçambicano e o maior partido de oposição, Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), sobretudo nas províncias do centro [Sofala, Manica, Tete e Zambézia e norte de Inhambane], onde têm vindo a ser noticiados incidentes, incluindo confrontos armados", declara o aviso.

As autoridades consulares portuguesas recomendam "medidas adicionais de prudência, vigilância e autoproteção" nas zonas de risco, que, além da estrada N1, na província de Sofala, incluem também a N6, em Manica, "enquanto a situação de instabilidade perdurar, para além do acompanhamento do evoluir da situação através da comunicação social".

As forças de defesa e segurança moçambicanas começaram hoje a fazer escoltas militares obrigatórias a viaturas em circulação num troço da N1, a principal estrada de Moçambique, para prevenir ataques de grupos armados.

"Restituímos as escoltas no troço entre Save e Muxúnguè, visando garantir a segurança das pessoas", adiantou à Lusa Sididi Paulo, oficial de imprensa do comando da Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Sofala, após uma série de ataques nos últimos dias, que as autoridades atribuem à Renamo.

Esta medida já tinha sido aplicada no mesmo troço, entre 2013 e 2014, na última crise política e militar entre Governo e Renamo, e, apesar disso, foram registados vários ataques que deixaram um número desconhecido de mortos e feridos, incluindo civis, e fortes danos na economia do país.

"Este troço já foi palco deste tipo de incidentes anteriormente e, com estes últimos acontecimentos, decidimos voltar ao sistema de caravanas para proteger as populações", justificou Sididi Paulo.

Segundo a oficial de imprensa da PRM, as colunas são feitas como nos outros anos, "um carro militar na frente, outro no meio e um terceiro no fim da coluna", assegurando, porém, que a situação está calma.

"A situação está controlada. Desde o ataque de ontem [quarta-feira], ainda não registámos nenhum outro incidente".

Sididi Paulo não avançou prazo para o fim das escoltas, afirmando que "esta situação vai prevalecer até haver garantia de que já há segurança para que as pessoas transitem".

Nos últimos dias, vários ataques atribuídos a homens armados da Renamo voltaram a provocar o medo e insegurança na N1, a única estrada que liga o sul ao centro e norte de Moçambique, concentrados no troço Save-Muxúnguè, mas também na Gorongosa e Maringué, na província de Sofala.

Moçambique vive uma situação de incerteza política há vários meses e o líder da Renamo ameaça tomar o poder em seis províncias do norte e centro do país, onde o movimento reivindica vitória nas eleições gerais de outubro de 2014.

Esta é a pior crise em Moçambique desde o Acordo de Cessação de Hostilidades Militares, assinado a 05 de setembro de 2014 pelo ex-Presidente Armando Guebuza e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, colocando termo aos ataques na N1.

A violência política voltou no entanto a Moçambique a seguir às eleições, agravando-se nos últimos meses, com acusações mútuas de ataques, raptos e assassínios.

A Renamo pediu recentemente a mediação do Presidente sul-africano, Jacob Zuma, e da Igreja Católica para o diálogo com o Governo, que se encontra bloqueado há vários meses.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, tem reiterado a sua disponibilidade para se avistar com o líder da Renamo, mas Afonso Dhlakama considera que não há mais nada a conversar depois de a Frelimo ter chumbado a revisão pontual da Constituição para acomodar as novas regiões administrativas reivindicadas pela oposição e que só retomará o diálogo após a tomada de poder no centro e norte do país.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.