sicnot

Perfil

Mundo

Israel mantém 700 palestinianos presos sem acusação

Mais de 700 palestinianos estão presos em Israel sem acusação ou julgamento, indicou hoje a organização não-governamental (ONG) Clube dos Prisioneiros Palestinianos.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Stephen Lam / Reuters

O número de prisioneiros mantidos presos ao abrigo da controversa lei de detenção administrativa de Israel aumentou por causa de uma série de detenções desde o início de uma nova vaga de violência, em outubro, indicou a ONG em comunicado.

Nos termos da lei da detenção administrativa, Israel pode manter suspeitos encarcerados sem julgamento por períodos de seis meses renováveis indefinidamente.

O sistema está de novo na berlinda devido à greve de fome do jornalista Mohammed al-Qiq, que está há 87 dias sem ingerir comida, em protesto por estar preso sem julgamento.

O sistema israelita tem sido criticado pelos palestinianos, por grupos de direitos humanos e pela comunidade internacional.

O Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Médio Oriente, Nickolay Mladenov, levantou a questão da prisão detenção administrativa na quinta-feira, num discurso proferido no Conselho de Segurança da ONU.

Segundo Mladenov, qualquer pessoa presa no âmbito daquele sistema deveria "ou ser acusada ou imediatamente libertada".

O representante da ONU manifestou também a sua "extrema preocupação com a deterioração do estado de saúde" de Qiq.

Israel argumenta que a detenção administrativa, uma política herdada do protetorado britânico sobre a Palestina, é essencialmente um instrumento para prevenir ataques enquanto, ao mesmo tempo, permite manter secreta informação sensível.

Mais de 7.000 palestinianos estão atualmente em prisões israelitas, incluindo os que estão sob detenção administrativa, de acordo com o Clube dos Prisioneiros.

Entre eles, estão cerca de 30 pessoas que estão na prisão desde antes da assinatura, em 1993, dos Acordos de Oslo.

A Autoridade Palestiniana fez da libertação deles uma condição para o reatamento das negociações de paz suspensas com Israel.

Lusa

  • Não há risco de colapso do viaduto de Alcântara
    1:35

    País

    O desvio de um pilar do viaduto de Alcântara obrigou esta quarta-feira ao corte do trânsito e da circulação de comboios da linha de Cascais. O estrago terá sido provocado por um camião que embateu na estrutura. A circulação ferroviária foi retomada a meio da manhã, mas o viaduto só será reaberto esta quinta-feira.

  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Romeu e Julieta nasceram no mesmo dia e no mesmo hospital

    Mundo

    Na Carolina do Sul, nos EUA, dois bebés tinham o parto marcado para 26 de março mas decidiram nascer mais cedo: exatamente no mesmo dia, apenas com uma diferença de 18 horas. Os pais não se conheciam e, curiosamente, deram o nome aos recém nascidos de Romeo e Juliet (em português, Romeu e Julieta).

  • Gelo nos polos recua para recordes mínimos

    Mundo

    A extensão de gelo polar dos oceanos Ártico e Antártico atingiu recordes mínimos a 13 de fevereiro, perdendo o equivalente a uma área maior do que o México, informou esta quarta-feira a agência espacial norte-americana NASA.

  • Túmulo de Jesus Cristo restaurado

    Mundo

    Após 10 meses de obras de restauro, o túmulo onde Jesus Cristo terá sido sepultado foi esta quarta-feira revelado numa cerimónia na igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém.