sicnot

Perfil

Mundo

Sanders reduz mais de metade a distância para Clinton entre eleitores democratas

O pré-candidato presidencial Bernie Sanders diminui em mais de metade a distância que o separava de Hillary Clinton nas eleições internas do Partido Democrático, segundo um estudo de opinião divulgado hoje.

Jacquelyn Martin

A sondagem telefónica, realizada pela cadeia televisiva NBC e pelo The Wall Street Journal atribui a Clinton 53% das preferências eleitorais entre os votantes democratas registados e 42% a Sanders.

Há um mês, o mesmo inquérito atribuía 59% a Clinton a 34% a Sanders, que vê assim reduzida a distância para a sua rival de 25 para 11 pontos percentuais.

A sondagem foi realizada entre 14 e 16 de fevereiro, depois das consultas internas no Estado do Iowa, que a ex-secretária de Estado ganhou por uma reduzidíssima margem, e no Estado do New Hampshire, com uma vitória clara do senador pelo Estado do Vermont.

A sondagem também incluiu perguntas sobre possíveis confrontos entre candidatos democratas e republicanos, com diferentes combinações.

Um duelo entre Clinton e o republicano Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro seria vencido pela primeira, com 50% dos votos, contra 40% do republicano, mas no cenário Clinton contra Ted Cruz a sondagem indicou um empate em 46%.

Ainda segundo este inquérito de opinião, Sanders venceria os confrontos com estes adversários republicanos, batendo Trump, com 53% dos votos contra 47%, e Cruz, com 50% contra 40%.

A sondagem telefónica foi feita com consulta a 800 votantes registados, divididos em partes iguais entre democratas e republicanos, e tem uma margem de erro de 3,5%.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Parlamento debate uso de animais no circo: as posições do PCP, Bloco e PAN
    2:03
  • ONU analisa proposta do Egito que visa anular decisão de Trump sobre Jerusalém
    1:27

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas está a analisar um projeto de resolução que pretende rejeitar a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital oficial de Israel. O projeto de resolução, proposto pelo Egito, deverá ser votado amanhã mas vai, seguramente, contar com o voto contra dos Estados Unidos.