sicnot

Perfil

Mundo

Sindicato da polícia de Miami quer boicotar concerto de Beyoncé

O sindicato da polícia de Miami, nos EUA, lançou um apelo aos seus agentes para que boicotem o próximo espetáculo de Beyoncé, por entender que a cantora promoveu, durante o Super Bowl 50, o movimento radical Panteras Negras.

Beyoncé no Super Bowl, EUA

Beyoncé no Super Bowl, EUA

© USA Today Sports / Reuters

"O facto de Beyoncé ter usado o Super Bowl deste ano para dividir os norte-americanos através da promoção das Panteras Negras e a sua mensagem contra a polícia mostra como ela não é compatível com a aplicação da lei", afirmou o presidente do sindicato policial de Miami, Javier Ortiz, em comunicado.

Os Panteras Negras eram um movimento destinado a proteger os negros norte-americanos da brutalidade policial, que evoluiu para um partido com uma ideologia revolucionária e inspiração maoísta.

Beyoncé foi este ano a estrela do espetáculo do intervalo do Super Bowl, a final da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL), em que apresentou a sua nova música "Formation", acompanhada de um vídeo.

A atuação em geral, incluindo as roupas e as bailarinas que acompanharam a cantora, desencadeou críticas por parte de vários departamentos de polícia, por considerarem que aludiu ao movimento radical dos anos de 1960 e a outros mais recentes.

Javier Ortiz assinalou que estas "mensagens contra os polícias" levaram o sindicato Ordem Fraternal da Polícia de Miami a apelar a um boicote ao concerto de Beyoncé, previsto para 27 de abril, no estádio de basebol dos Los Marlins, em Miami.

  • Super Bowl, evento voltou a mobilizar milhões nos EUA
    2:37

    Desporto

    A Super Bowl, final da principal liga de futebol americano, terminou com a vitória dos Denver Broncos frente aos Carolina Panthers, num evento que vai muito além do desporto. O acontecimento desportivo mais aguardado nos Estados Unidos e que é também seguido em todo o planeta. Milhões de espectadores acompanham o jogo pela televisão, o que faz com que o Super Bowl seja estrategicamente planeado, de modo a tirar o máximo proveito das receitas publicitárias. Todos os anos, este evento desportivo faz movimentar mais de 14 mil milhões de dólares na economia norte-americana.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.