sicnot

Perfil

Mundo

Homem de 58 anos morre depois de passar mais de 24 horas a jogar

Um taiwanês, de 58 anos, morreu num cibercafé após passar mais de 24 horas a jogar ininterruptamente um famoso jogo de combate, provavelmente devido a uma paragem cardíaca, informaram hoje fontes da empresa à agência Efe.

Taiwanês morre num cibercafé depois de passar mais de 24 horas a jogar

Taiwanês morre num cibercafé depois de passar mais de 24 horas a jogar

© Jonathan Alcorn / Reuters


O homem, de apelido Chen, costumava jogar 24 horas seguidas no cibercafé, quase sempre um jogo de combate, foi encontrado morto há dois dias, explicou um funcionário à agência noticiosa espanhola.

"24 horas depois de ter começado a jogar notámos que estava a dormir e pensámos que estava a descansar e não o quisemos acordar, apesar de já terem passado as horas pelas quais pagou", disse o funcionário, indicando que na manhã do dia seguinte, quando já havia passado 36 horas no cibercafé, os empregados aproximaram-se para o acordar, reparando então que o seu corpo estava rígido e frio, tendo chamado uma ambulância.

"Ao seu lado havia outros clientes e todos pensaram que estava a dormir, porque é costume para muitas pessoas que passam dias inteiros em cibercafés", acrescentou o mesmo funcionário.

Um porta-voz da polícia do distrito de Zhongzheng, onde ocorreu o caso, disse que as investigações preliminares apontam que a morte ter-se-á devido a uma paragem cardíaca ou a outro problema do coração.

Esta foi a segunda morte num cibercafé da ilha Formosa no último ano.

Uma mulher de 37 anos, de apelido Chu, morreu a 23 de agosto de 2015 na cidade de Hsinchu, no norte de Taiwan, também num espaço de videojogos.

Os cibercafés taiwaneses têm muitas vezes pequenos cubículos para se poder dormir, chuveiros e outros serviços, incluindo encomenda de comida, de modo a que os clientes possam praticamente viver no seu interior.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52