sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica reintroduz controlo na fronteira com França devido a Calais

A Bélgica anunciou hoje a reintrodução temporária dos controlos na fronteira com França para impedir a entrada de migrantes que abandonem a "Selva" de Calais, no norte de França.

Jan Jambon, ministro do interior belga.

Jan Jambon, ministro do interior belga.

Reuters

"Informámos a Comissão Europeia de que vamos suspender temporariamente Schengen", disse o ministro do Interior belga, Jan Jambon, numa conferência de imprensa em Bruxelas.

"Vamos realizar controlos em diferentes localizações estratégicas, pontos utilizados pelos traficantes já detetados pela polícia", acrescentou.

As autoridades francesas decidiram evacuar a metade sul do campo de refugiados de Calais e estabeleceram um prazo, que terminava hoje, mas foi entretanto suspenso até haver uma decisão do tribunal administrativo de Lille.

Cerca de 4 mil migrantes, oriundos sobretudo da África subsaariana, vivem em condições muito precárias no campo, conhecido como "Selva", à espera de uma oportunidade para atravessar clandestinamente o Canal de Mancha e chegar ao Reino Unido.

O receio da Bélgica é que os migrantes tentem chegar ao porto belga de Zeebrugge, para atravessar o Canal através de uma rota diferente.

"O desmantelamento da chamada 'Selva' é possível e real. Já observámos migrantes em trânsito", disse o ministro belga.

"Há o potencial de milhares de migrantes virem para cá -- não se trata de candidatos a asilo, mas de migrantes em trânsito que não querem ficar em França nem na Bélgica, querem ir para o Reino Unido", acrescentou.

O espaço de livre circulação Schengen abrange 26 países e prevê nas suas regras que um país reponha temporariamente o controlo de fronteiras em circunstâncias excecionais de "ameaça grave para a ordem pública ou a segurança interna".

Com a Bélgica, são agora sete os países do espaço Schengen que reintroduziram controlos de fronteira em resposta ao fluxo inédito de migrantes e refugiados na Europa.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02