sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica reintroduz controlo na fronteira com França devido a Calais

A Bélgica anunciou hoje a reintrodução temporária dos controlos na fronteira com França para impedir a entrada de migrantes que abandonem a "Selva" de Calais, no norte de França.

Jan Jambon, ministro do interior belga.

Jan Jambon, ministro do interior belga.

Reuters

"Informámos a Comissão Europeia de que vamos suspender temporariamente Schengen", disse o ministro do Interior belga, Jan Jambon, numa conferência de imprensa em Bruxelas.

"Vamos realizar controlos em diferentes localizações estratégicas, pontos utilizados pelos traficantes já detetados pela polícia", acrescentou.

As autoridades francesas decidiram evacuar a metade sul do campo de refugiados de Calais e estabeleceram um prazo, que terminava hoje, mas foi entretanto suspenso até haver uma decisão do tribunal administrativo de Lille.

Cerca de 4 mil migrantes, oriundos sobretudo da África subsaariana, vivem em condições muito precárias no campo, conhecido como "Selva", à espera de uma oportunidade para atravessar clandestinamente o Canal de Mancha e chegar ao Reino Unido.

O receio da Bélgica é que os migrantes tentem chegar ao porto belga de Zeebrugge, para atravessar o Canal através de uma rota diferente.

"O desmantelamento da chamada 'Selva' é possível e real. Já observámos migrantes em trânsito", disse o ministro belga.

"Há o potencial de milhares de migrantes virem para cá -- não se trata de candidatos a asilo, mas de migrantes em trânsito que não querem ficar em França nem na Bélgica, querem ir para o Reino Unido", acrescentou.

O espaço de livre circulação Schengen abrange 26 países e prevê nas suas regras que um país reponha temporariamente o controlo de fronteiras em circunstâncias excecionais de "ameaça grave para a ordem pública ou a segurança interna".

Com a Bélgica, são agora sete os países do espaço Schengen que reintroduziram controlos de fronteira em resposta ao fluxo inédito de migrantes e refugiados na Europa.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.