sicnot

Perfil

Mundo

Coluna humanitária entra na cidade sitiada de Kafr Batna nos arredores de Damasco

Uma coluna humanitária da ONU e do Crescente Vermelho Árabe Sírio (federada da Cruz Vermelha Internacional) chegou hoje à cidade síria sitiada de Kafr Batna, o principal bastião da oposição localizado nos arredores de Damasco.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Ammar Abdullah / Reuters

Numa mensagem na rede social Twitter, o gabinete de coordenação dos assuntos humanitários da ONU (OCHA) na Síria informou que a coluna transportou alimentos e medicamentos para cerca de 10 mil pessoas em Kafr Batna.

A organização Crescente Vermelho Árabe Sírio confirmou, também através do Twitter, o envio de 15 camiões com ajuda humanitária para Kafr Batna.

Há cerca de uma semana, o governo sírio autorizou a ONU a enviar ajuda humanitária para oito localidades sírias sitiadas, incluindo Kafr Batna, cercada pelas forças do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Esta autorização surgiu depois de uma visita a Damasco do enviado especial das Nações Unidas para a Síria, o veterano diplomata italo-sueco Staffan de Mistura.

Na capital síria, o diplomata reuniu-se na altura com o ministro dos Negócios Estrangeiros sírio, Walid al-Mualem, e, depois do encontro, afirmou que a ONU ia tentar levar ajuda às áreas sitiadas, uma ação que, segundo o enviado especial, iria testar a vontade do governo sírio.

Nos dias seguintes foram organizadas várias colunas humanitárias que transportaram alimentos e medicamentos, entre outros bens, para várias populações cercadas tanto pelas forças pró-regime como pelos grupos da oposição.

Segundo a ONU, cerca de 486.000 pessoas vivem em 18 zonas cercadas no território sírio, a maioria por forças militares do regime, e precisam de uma ajuda urgente.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC