sicnot

Perfil

Mundo

Governo da Colômbia e FARC aceleram negociações para acordo de paz

O Governo da Colômbia e a guerrilha das FARC chegaram a um acordo para ultrapassar a última crise e acelerar as negociações para firmar um acordo de paz "o mais depressa possível", foi hoje anunciado em Havana.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Enrique de la Osa / Reuters

Em comunicado, a Noruega e Cuba, países garantes do processo de paz, anunciaram que as duas partes colombianas alcançaram um acordo para "ultrapassar divergências recentes e normalizar as conversações".

No entanto, o texto não precisa a data de regresso à mesa negocial, após a crise suscitada por imagens de negociadores das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) numa sessão pública numa aldeia colombiana, escoltados por guerrilheiros armados.

Também não é referido quando se prevê o regresso a Cuba do principal negociador das FARC, "Iván Márquez", e do guerrilheiro "Joaquín Gómez", acusados por Bogotá de violarem as regras com o Governo devido às suas viagens à Colômbia para promoverem a "pedagogia da paz" nas suas fileiras.

Na perspetiva do Executivo, os negociadores da guerrilha romperam o acordo que proíbe entrar em povoações, estabelecer contactos com a população civil ou promover manifestações políticas.

"Vão continuar a ser respeitados todos os compromissos assumidos pelas partes sobre as medidas de apaziguamento e reforço da confiança", indica o texto divulgado hoje na capital cubana.

Nos últimos dias, e para desbloquear a situação, decorreram em Havana intensos contactos entre as duas partes com a mediação dos países garantes, incluindo um encontro entre os chefes da diplomacia de Cuba e da Noruega, Bruno Rodríguez e Børge Brende.

Em setembro, Governo e guerrilha apontaram 23 de março como data limite para a assinatura do acordo de paz, apesar de ainda permaneceram dúvidas sobre o cumprimento deste prazo.

Entre os temas que permanecem por solucionar inclui-se o cessar-fogo bilateral e definitivo, o abandono das armas e a concentração dos guerrilheiros para a sua desmobilização.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46