sicnot

Perfil

Mundo

Ilha canadiana oferece-se para acolher norte-americanos anti-Trump

Uma ilha canadiana propõe-se acolher os norte-americanos que se opõem a Donald Trump caso o milionário norte-americano, na corrida republicana para a Casa Branca, for eleito Presidente dos Estados Unidos em novembro.

Um cartaz do candidato presidencial conservador, Donald Truump à porta de uma casa em West Des Moines, Iowa, nos Estados Unidos

Um cartaz do candidato presidencial conservador, Donald Truump à porta de uma casa em West Des Moines, Iowa, nos Estados Unidos

© Jim Young / Reuters

Um site da Internet concebido por um animador de rádio encoraja os norte-americanos a instalarem-se na ilha de Cabo Bretão, situada na província da Nova Escócia, a 400 quilómetros da fronteira norte-americana, se Donald Trump vencer a eleição presidencial.

O endereço oferece igualmente uma ligação para o posto de turismo da ilha, destacando a habitação a preços acessíveis, bem como sistema de saúde universal do Canadá, numa alusão aos discursos extravagantes do magnata do imobiliário na campanha republicana.

"Não espere que Donald Trump seja eleito Presidente para encontrar outro lugar para viver", explica o site.

"Comece já hoje e, no dia do escrutínio, só terá de apanhar um autocarro para começar a nova vida no Cabo Bretão, onde as mulheres podem abortar, os muçulmanos circulam livremente e os muros servem apenas para erguer as nossas casas", lê-se na página.

A responsável turística da ilha, Mary Tulle, disse à agência France Press que "não fazem discriminação segundo a filiação política" e que "todas as pessoas são bem vindas", sublinhando os laços históricos e comerciais com os Estados Unidos da América.

Como a sua mãe fala escocês, "o próprio Donald Trump pode vir", afirmou, acrescentando que a ilha foi colonizada por escoceses.

Devido ao interesse que os media norte-americanos dedicaram ao site, o posto de turismo da ilha recebeu mais de 300.000 visitas numa semana, mais do que em todo o ano passado, segundo a mesma responsável.

"Recebemos 5.000 pedidos de informação específicos sobre a ilha por parte de norte-americanos, sobre a imigração para o Canadá, as oportunidades de trabalho e o imobiliário", precisou.

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.