sicnot

Perfil

Mundo

"Mundo islâmico está consciente do declínio do Ocidente"

O mundo islâmico adquiriu a consciência do declínio do Ocidente, representado pela Europa, e como sempre sucedeu na história da Humanidade está a tentar impor a sua lei, considerou hoje o ensaísta Eduardo Lourenço num debate sobre o projeto europeu.

LUSA

"Existe um problema interno ao mundo islâmico, por razões de ordem religiosa, guerras terríveis entre xiitas e sunitas", assinalou durante a sua intervenção na Gulbenkian, em Lisboa, numa conferência organizada pelo Centro de Investigação em Direito Europeu, Económico, Financeiro e Fiscal da Faculdade de Direito de Lisboa e o Instituto Europeu.

"E ao mesmo tempo uma consciência muito aguda de que o Ocidente representado pela Europa está em declínio, sentem a nossa fraqueza enquanto potência mundial e jogam o jogo que sempre se jogou na Humanidade, os mais poderosos, ricos, os mais empreendedores, os mais guerreiros, os mais violentos, têm tendência a impor a sua lei", referiu no seu improviso que se prolongou por quase 40 minutos.

Na mesa estiveram ainda presentes Paulo de Pitta e Cunha, fundador do Instituto Europeu, e o advogado Eduardo Paz Ferreira, dirigente do Instituto de Estudos Europeus da Universidade de Lisboa, particularmente crítico na sua intervenção sobre o recente acordo entre Bruxelas e o Reino Unido, definido como "uma decisão desastrosa que descaracteriza por completo a UE".

Os três especialistas integraram o primeiro painel da sessão dos colóquios "Olhares sobre a União Europeia nos 30 anos de adesão à UE", que assinala a adesão de Portugal à então CEE e que se vão prolongar, com periodicidade mensal, até aos finais de 2016.

"Estamos confrontados com um grande desafio", assinalou, ao referir-se à ideologia hoje dominante nesta "nova fase" do mundo islâmico, e após ter percorrido as principais etapas de construção da Europa, esse "pequeno cabo da Ásia", desde a Grécia antiga até às duas guerras mundiais do século XX e cujas consequências acabaram por justificar um projeto comum europeu, hoje em crise, em recuo.

"Este desafio sugere que querem recuperar um estatuto histórico, mesmo recuperar todo o espaço que foi o das primeiras conquistas do mundo islâmico na Europa, quando nasceu", afirmou, numa referência ao mundo islâmico.

"Para eles somos os cruzados, mas vendo bem e de uma maneira objetiva, como diz o outro 'quem começou primeiro foram eles'", afirmou.

Perante estes novos fenómenos, o ensaísta não deixou de definir como "extraordinário um certo fascínio que uma parte da juventude da Europa manifesta em relação a essa reivindicação violenta, que seja justa ou injusta não importa".

Um fenómeno em que "gente portuguesa, espanhola, francesa vai participar nesse combate, algo de estranho para a nossa mitologia própria de europeus", arriscando uma comparação com 80 anos e que decorreu em solo europeu: "Como se nos anos 30, quando uma parte dos intelectuais se mobilizaram para a guerra (civil) de Espanha".

Perante este novo mundo, "algo de estranho para nós" e cujo desfecho está reservado para o futuro, Eduardo Lourenço mantém a esperança "que se encontre uma solução o mais pacífica possível, mas para isso temos de fazer uma dupla conversão, tornarmo-nos mais europeus, particularmente os franceses".

E é em França que o pensador centra o atual embate, decerto recuperando as consequências dos atentados que abalaram Paris em janeiro e novembro de 2015.

"Em França, em ensaios, artigos, etc., já não há assunto nenhum que não passe pelo Islão... A minha cara França é hoje provavelmente a nação mais problemática da Europa", considerou.

No seu improviso, entendeu no entanto alterar para um "género de juízos jornalísticos, mediáticos, em relação a uma parte da humanidade que é extremamente forte, aguerrida, numerosa, que se estende praticamente aqui desde Marrocos até à Indonésia".

Numa referência específica a Portugal, definiu a comunidade islâmica, proveniente de Goa, de Moçambique, de outras ex-colónias, como "muito portuguesa, muito nossa, até hoje pelo menos", numa clara distinção face aos dilemas que se colocam, de imediato, para além das fronteiras do país.

"Necessitamos da consciência de que estamos todos no mesmo barco, na nau Europa, que continue a navegar, como na pátria de Ulisses que é a nossa pátria de europeus", pugnou na conclusão da sua intervenção.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.