sicnot

Perfil

Mundo

Presidente egípcio admite que queda de avião russo no Sinai foi um atentado

O Presidente egípcio reconheceu hoje pela primeira vez que o avião de turistas russos que se despenhou em outubro no Sinai, com um balanço de 224 mortos, foi um atentado, como Moscovo afirmou quase de imediato.

© Mohamed Abd El Ghany / Reuters

O ramo egípcio do grupo jihadista Daesh (autoproclamado Estado Islâmico) reivindicou o atentado no próprio dia 31 de outubro, assegurando depois ter colocado uma pequena bomba no interior do aparelho, mas o Cairo tinha afirmado até agora que as causas da queda do aparelho eram desconhecidas.

"Que pretendiam os que abateram esta avião, sejam quem forem? Apenas atingir o turismo (no Egito)? Não, atingir as nossas relações com a Rússia", disse Abdel Fattah al-Sisi no decurso de uma conferência sobre o desenvolvimento do Egito e perante responsáveis e empresários, transmitida pelas televisões.

Dez dias após o avião se ter despenhado, o Presidente russo Vladimir Putin anunciou que os seus investigadores concluíram tratar-se de um atentado, e proibiram qualquer voo entre a Rússia e o Egito até nova ordem. O Reino Unido proibiu todos os voos em direção à estação balnear de Charm el-Cheik, de onde descolou o avião russo, e à semelhança de Moscovo repatriou de imediato todos os seus cidadãos no local.

O turismo, já profundamente afetado por uma vaga de atentados no Egito, está atualmente praticamente inativo. Londres ainda não retomou os voos para Charm el-Cheik, e Moscovo mantém suspensas as ligações para todo o Egito.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".