sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono quer aumento de 16% do orçamento para a guerra cibernética

O Pentágono prevê aumentar em 15,5% o seu orçamento consagrado à guerra informática no ano fiscal 2017, que se estende de 01 de outubro deste ano a 30 de setembro do próximo.

© POOL New / Reuters

O aumento é justificado com a necessidade de defender as redes norte-americanas mas também atacar as redes adversárias, afirmou hoje o secretário da Defesa, Ashton Carter.

A atividade do grupo que se designa por Estado Islâmico na internet ou o roubo de dados pessoais de milhões de empregados federais armazenados nos computadores do governo mostraram que a guerra informática é cada vez mais "sofisticada" e "severa", disse Carter, durante uma audição na comissão orçamental do Congresso.

O Pentágono pretende que as verbas orçamentadas para esta guerra informática em 2017 ascendam a 6,7 mil milhões de dólares (6,1 mil milhões de euros), o que representa um pouco mais do que 1% do orçamento total da Defesa, que é de 582,7 mil milhões, apesar de uma subida de 900 milhões em relação mão anterior, especificou Carter.

Estas somas vão ser utilizadas para defender melhor as redes informáticas norte-americanas, militares e civis, mas também para dispor de "opções militares" para responder a ações de pirataria massivas contra computadores norte-americanos, detalhou o secretário da Defesa.

Trata-se de dispor de armas cibernéticas, suscetíveis de se somarem às armas tradicionais em caso de conflitos militares clássicos, explicou Carter.

O risco de ataques informáticos ocupou um lugar importante no último relatório sobre as ameaças incidentes sobre os EUA, apresentado pelo coordenador da área de informações dos EUA, James Clapper.

Durante uma audiência separada, também hoje e igualmente no Congresso, Clapper disse que os criminosos cibernéticos constituem, por exemplo, a ameaça mais "generalizada" contra o sistema financeiro nos EUA.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.