sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono quer aumento de 16% do orçamento para a guerra cibernética

O Pentágono prevê aumentar em 15,5% o seu orçamento consagrado à guerra informática no ano fiscal 2017, que se estende de 01 de outubro deste ano a 30 de setembro do próximo.

© POOL New / Reuters

O aumento é justificado com a necessidade de defender as redes norte-americanas mas também atacar as redes adversárias, afirmou hoje o secretário da Defesa, Ashton Carter.

A atividade do grupo que se designa por Estado Islâmico na internet ou o roubo de dados pessoais de milhões de empregados federais armazenados nos computadores do governo mostraram que a guerra informática é cada vez mais "sofisticada" e "severa", disse Carter, durante uma audição na comissão orçamental do Congresso.

O Pentágono pretende que as verbas orçamentadas para esta guerra informática em 2017 ascendam a 6,7 mil milhões de dólares (6,1 mil milhões de euros), o que representa um pouco mais do que 1% do orçamento total da Defesa, que é de 582,7 mil milhões, apesar de uma subida de 900 milhões em relação mão anterior, especificou Carter.

Estas somas vão ser utilizadas para defender melhor as redes informáticas norte-americanas, militares e civis, mas também para dispor de "opções militares" para responder a ações de pirataria massivas contra computadores norte-americanos, detalhou o secretário da Defesa.

Trata-se de dispor de armas cibernéticas, suscetíveis de se somarem às armas tradicionais em caso de conflitos militares clássicos, explicou Carter.

O risco de ataques informáticos ocupou um lugar importante no último relatório sobre as ameaças incidentes sobre os EUA, apresentado pelo coordenador da área de informações dos EUA, James Clapper.

Durante uma audiência separada, também hoje e igualmente no Congresso, Clapper disse que os criminosos cibernéticos constituem, por exemplo, a ameaça mais "generalizada" contra o sistema financeiro nos EUA.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.