sicnot

Perfil

Mundo

China condena ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão

Um tribunal chinês condenou uma ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão pelo crime de "perturbação da ordem", acusação utilizada frequentemente contra críticos do Governo, disse hoje uma organização de defesa dos Direitos Humanos.

© Jason Lee / Reuters

A condenação de Zhang Shuzhi, 55 anos, é uma represália pelos seus protestos contra o Executivo e por ter defendido os direitos de outros ativistas ou apelado à sua libertação, aponta a Chinese Human Rights Defenders (CHRD).

O veredicto foi anunciado em finais de janeiro. As autoridades recusaram, entretanto, colocá-la em liberdade sob caução apesar do seu estado de saúde, denuncia a CHRD em comunicado.

Nos anos 1990, Zhang tornou-se uma "peticionária", como são chamados os manifestantes que se deslocam a Pequim para reclamar junto do Governo central por uma resposta a problemas ignorados pelas autoridades locais.

A empresa em que trabalhava Zhang terá recusado então pagar-lhe o salário quando soube do seu estado de saúde e a ativista recorreu à justiça, revelando no processo as práticas corruptas de um dos seus patrões.

Devido aos protestos públicos, a ativista foi vitima de todo o tipo de abusos, desde ameaças a agressões físicas, tendo sido colocada por várias vezes em prisões ilegais - chamadas de prisões "negras" - ou em campos de reeducação, onde as autoridades podem manter um cidadão sem precisar que este seja julgado primeiro.

Durante esses anos, passou de peticionária a ativista de defesa das liberdades e participou em várias campanhas a favor da libertação de outros companheiros, como Xu Zhiyong, condenado a quatro anos de prisão, ou Cao Shunli, que faleceu num hospital chinês enquanto cumpria pena.

Durante o julgamento, o juiz interrompeu por várias vezes Zhang quando esta se tentava defender, sem forças quase para falar, devido ao seu estado de saúde, acusou a CHRD.

Além disso, o advogado escolhido pela família, Lu Fangzhi, apenas conseguiu aceder ao caso no fim do processo e, mesmo assim, as autoridades continuaram a colocar entraves, dificultando a sua reunião com Zhang.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.