sicnot

Perfil

Mundo

China condena ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão

Um tribunal chinês condenou uma ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão pelo crime de "perturbação da ordem", acusação utilizada frequentemente contra críticos do Governo, disse hoje uma organização de defesa dos Direitos Humanos.

© Jason Lee / Reuters

A condenação de Zhang Shuzhi, 55 anos, é uma represália pelos seus protestos contra o Executivo e por ter defendido os direitos de outros ativistas ou apelado à sua libertação, aponta a Chinese Human Rights Defenders (CHRD).

O veredicto foi anunciado em finais de janeiro. As autoridades recusaram, entretanto, colocá-la em liberdade sob caução apesar do seu estado de saúde, denuncia a CHRD em comunicado.

Nos anos 1990, Zhang tornou-se uma "peticionária", como são chamados os manifestantes que se deslocam a Pequim para reclamar junto do Governo central por uma resposta a problemas ignorados pelas autoridades locais.

A empresa em que trabalhava Zhang terá recusado então pagar-lhe o salário quando soube do seu estado de saúde e a ativista recorreu à justiça, revelando no processo as práticas corruptas de um dos seus patrões.

Devido aos protestos públicos, a ativista foi vitima de todo o tipo de abusos, desde ameaças a agressões físicas, tendo sido colocada por várias vezes em prisões ilegais - chamadas de prisões "negras" - ou em campos de reeducação, onde as autoridades podem manter um cidadão sem precisar que este seja julgado primeiro.

Durante esses anos, passou de peticionária a ativista de defesa das liberdades e participou em várias campanhas a favor da libertação de outros companheiros, como Xu Zhiyong, condenado a quatro anos de prisão, ou Cao Shunli, que faleceu num hospital chinês enquanto cumpria pena.

Durante o julgamento, o juiz interrompeu por várias vezes Zhang quando esta se tentava defender, sem forças quase para falar, devido ao seu estado de saúde, acusou a CHRD.

Além disso, o advogado escolhido pela família, Lu Fangzhi, apenas conseguiu aceder ao caso no fim do processo e, mesmo assim, as autoridades continuaram a colocar entraves, dificultando a sua reunião com Zhang.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC