sicnot

Perfil

Mundo

China condena ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão

Um tribunal chinês condenou uma ativista com cancro terminal a quatro anos de prisão pelo crime de "perturbação da ordem", acusação utilizada frequentemente contra críticos do Governo, disse hoje uma organização de defesa dos Direitos Humanos.

© Jason Lee / Reuters

A condenação de Zhang Shuzhi, 55 anos, é uma represália pelos seus protestos contra o Executivo e por ter defendido os direitos de outros ativistas ou apelado à sua libertação, aponta a Chinese Human Rights Defenders (CHRD).

O veredicto foi anunciado em finais de janeiro. As autoridades recusaram, entretanto, colocá-la em liberdade sob caução apesar do seu estado de saúde, denuncia a CHRD em comunicado.

Nos anos 1990, Zhang tornou-se uma "peticionária", como são chamados os manifestantes que se deslocam a Pequim para reclamar junto do Governo central por uma resposta a problemas ignorados pelas autoridades locais.

A empresa em que trabalhava Zhang terá recusado então pagar-lhe o salário quando soube do seu estado de saúde e a ativista recorreu à justiça, revelando no processo as práticas corruptas de um dos seus patrões.

Devido aos protestos públicos, a ativista foi vitima de todo o tipo de abusos, desde ameaças a agressões físicas, tendo sido colocada por várias vezes em prisões ilegais - chamadas de prisões "negras" - ou em campos de reeducação, onde as autoridades podem manter um cidadão sem precisar que este seja julgado primeiro.

Durante esses anos, passou de peticionária a ativista de defesa das liberdades e participou em várias campanhas a favor da libertação de outros companheiros, como Xu Zhiyong, condenado a quatro anos de prisão, ou Cao Shunli, que faleceu num hospital chinês enquanto cumpria pena.

Durante o julgamento, o juiz interrompeu por várias vezes Zhang quando esta se tentava defender, sem forças quase para falar, devido ao seu estado de saúde, acusou a CHRD.

Além disso, o advogado escolhido pela família, Lu Fangzhi, apenas conseguiu aceder ao caso no fim do processo e, mesmo assim, as autoridades continuaram a colocar entraves, dificultando a sua reunião com Zhang.

Lusa

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.