sicnot

Perfil

Mundo

Corante injetável pode encolher tumores e reduzir a propagação do cancro de pele

Investigadores do Moffitt Cancer Center, nos EUA, demonstraram que um corante injectável, conhecido como PV-10, pode encolher tumores e reduzir a propagação do cancro da pele. «

Divulgação

Trata-se de Rosa Bengala, um corante solúvel em água utilizado para dar cor às células danificadas no olho. A solução foi reformulada e deu origem ao PV-10 que está a ser aplicada em casos de cancro de pele.

Os primeiros estudos clínicos mostram que a PV-10 pode aumentar a resposta imunitária em tumores de melanoma, assim como o fluxo de sangue.

A norte-americana Provectus Biopharmaceuticals Inc, responsável pela descoberta, apresentou um pequeno estudo com resultados prometedores.

Foram selecionadas 80 pessoas com melanoma em estado avançado A metade foi injetado o corante PV-10 diretamente nas lesões. Em apenas dois meses desapareceram sinais do melanoma.

De acordo com o Anais da Cirurgia Oncológica, citada pela Agência Reuters, um ano depois deste tratamento, 11% dos doentes continuavam sem sinais de cancro.

As lesões terão sido destruídas por dentro sem danificar, aparentemente, os tecidos saudáveis, garantem os investigadores. Quanto aos efeitos secundários, registaram-se apenas dor no local da injeção e formação de bolhas.

Está a decorrer, nesta altura, outro estudo que envolve 225 pessoas que servirá para testar a eficácia deste tratamento e comparar com outros, como a quimioterapia.

Os investigadores têm grades expectativas quanto ao PV-10. Espera que possa evitar a progressão do melanoma, impeça a doença de se espalhar, evite danificar outros órgãos e ajude os pacientes com cancro a viver mais tempo.

"Este é um dos casos de puro redirecionamento, em que usamos medicamentos que já existem há anos e, de repente, percebemos que podem ter um valor oncológico", diz o médico oncologista Vernon Sondak, do Moffitt Cancer Center em Tampa, na Florida.

Vernon Sondak responsável pela Oncologia Cutânea do Moffitt Cancer Center e quem lidera os testes para a Provectus Biopharmaceuticals Inc.

O potencial de Rosa Bengala no combate contra o cancro foi descoberto por acaso. O sal de sódio foi patenteado pela primeira vez em 1882 como um corante de lã e tem sido usado, há anos, para diagnóstico nos testes de icterícia em recém-nascidos e para detetar lesões oculares.

Em 1998, os cientistas que mais tarde fundaram a Provectus estavam à procura de um agente foto reativo seguro para uma investigação de lasers contra o cancro. Acabaram por tropeçar na Rosa Bengala que acabou por demonstrar ser capaz de atacar tumores quando injetada diretamente nas lesões como explicou, à Reuters, o diretor de tecnologia, Eric Wachter, um ex-cientista do Oak Ridge National Lab que ajudou a fundar a farmacêutica Provectus Biopharmaceuticals Inc.

Até que chegue ao mercado há ainda muito a fazer. São esperados resultados dos estudos só para o final de 2018 e a equipa responsável pelo novo fármaco não espera que a norte-americana FDA (Food and Drug Administration) a agência que regula o mercado dos medicamentos tome qualquer decisão antes de 2019.

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57