sicnot

Perfil

Mundo

ONU confirma que Irão cumpre acordo nuclear

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou hoje que o Irão está a cumprir com o acordo nuclear multilateral, em vigor desde 16 de janeiro, que permitiu o levantamento das sanções internacionais impostas ao regime de Teerão.

Ebrahim Noroozi

"O Irão não enriqueceu urânio acima dos 3,67%", assinalou um relatório confidencial da AIEA, agência da ONU que tem a missão de controlar e verificar se Teerão está a cumprir com todos os requisitos do acordo, citado pela agência noticiosa espanhola EFE.

Manter a pureza do urânio enriquecido abaixo dos 4% era um dos pontos centrais do acordo multilateral, uma vez que 90% é a percentagem necessária para construir uma bomba nuclear.

O desmantelamento de algumas instalações, nomeadamente do reator de água pesada de Arak, era outros dos requisitos.

"A AIEA acompanha a verificação para que não exista qualquer desvio de material não declarado em instalações nucleares e naquelas instalações onde o material nuclear é usado de forma regular", referiu o mesmo documento.

O acordo nuclear prevê limitar vários aspetos do programa nuclear iraniano durante um período de 10 a 25 anos, em troca do levantamento das sanções internacionais impostas ao Irão.

A agência das Nações Unidas destacou ainda que desde 16 de janeiro, e tal como estava previsto, os inspetores da organização estão a trabalhar ao abrigo do designado Protocolo Adicional de Salvaguardas, ou seja, os inspetores podem realizar visitas e inspeções a qualquer instalação nuclear iraniana sem aviso prévio.

O conteúdo deste relatório permite continuar com a aplicação do acordo e com a normalização das relações económicas entre o Irão e a comunidade internacional, com particular destaque para os Estados Unidos e a União Europeia.

O regime iraniano sempre recusou ter ambições bélicas com o seu programa nuclear, salientando o seu caráter civil e pacífico. Alguns países e a própria AIEA chegaram a admitir que o Irão não ofereceu o nível de transparência necessário para esclarecer o alcance e a natureza das suas atividades nucleares.

O acordo entre o Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena.

Lusa

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

    Em atualização

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.