sicnot

Perfil

Mundo

ONU confirma que Irão cumpre acordo nuclear

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou hoje que o Irão está a cumprir com o acordo nuclear multilateral, em vigor desde 16 de janeiro, que permitiu o levantamento das sanções internacionais impostas ao regime de Teerão.

Ebrahim Noroozi

"O Irão não enriqueceu urânio acima dos 3,67%", assinalou um relatório confidencial da AIEA, agência da ONU que tem a missão de controlar e verificar se Teerão está a cumprir com todos os requisitos do acordo, citado pela agência noticiosa espanhola EFE.

Manter a pureza do urânio enriquecido abaixo dos 4% era um dos pontos centrais do acordo multilateral, uma vez que 90% é a percentagem necessária para construir uma bomba nuclear.

O desmantelamento de algumas instalações, nomeadamente do reator de água pesada de Arak, era outros dos requisitos.

"A AIEA acompanha a verificação para que não exista qualquer desvio de material não declarado em instalações nucleares e naquelas instalações onde o material nuclear é usado de forma regular", referiu o mesmo documento.

O acordo nuclear prevê limitar vários aspetos do programa nuclear iraniano durante um período de 10 a 25 anos, em troca do levantamento das sanções internacionais impostas ao Irão.

A agência das Nações Unidas destacou ainda que desde 16 de janeiro, e tal como estava previsto, os inspetores da organização estão a trabalhar ao abrigo do designado Protocolo Adicional de Salvaguardas, ou seja, os inspetores podem realizar visitas e inspeções a qualquer instalação nuclear iraniana sem aviso prévio.

O conteúdo deste relatório permite continuar com a aplicação do acordo e com a normalização das relações económicas entre o Irão e a comunidade internacional, com particular destaque para os Estados Unidos e a União Europeia.

O regime iraniano sempre recusou ter ambições bélicas com o seu programa nuclear, salientando o seu caráter civil e pacífico. Alguns países e a própria AIEA chegaram a admitir que o Irão não ofereceu o nível de transparência necessário para esclarecer o alcance e a natureza das suas atividades nucleares.

O acordo entre o Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38