sicnot

Perfil

Mundo

ONU confirma que Irão cumpre acordo nuclear

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou hoje que o Irão está a cumprir com o acordo nuclear multilateral, em vigor desde 16 de janeiro, que permitiu o levantamento das sanções internacionais impostas ao regime de Teerão.

Ebrahim Noroozi

"O Irão não enriqueceu urânio acima dos 3,67%", assinalou um relatório confidencial da AIEA, agência da ONU que tem a missão de controlar e verificar se Teerão está a cumprir com todos os requisitos do acordo, citado pela agência noticiosa espanhola EFE.

Manter a pureza do urânio enriquecido abaixo dos 4% era um dos pontos centrais do acordo multilateral, uma vez que 90% é a percentagem necessária para construir uma bomba nuclear.

O desmantelamento de algumas instalações, nomeadamente do reator de água pesada de Arak, era outros dos requisitos.

"A AIEA acompanha a verificação para que não exista qualquer desvio de material não declarado em instalações nucleares e naquelas instalações onde o material nuclear é usado de forma regular", referiu o mesmo documento.

O acordo nuclear prevê limitar vários aspetos do programa nuclear iraniano durante um período de 10 a 25 anos, em troca do levantamento das sanções internacionais impostas ao Irão.

A agência das Nações Unidas destacou ainda que desde 16 de janeiro, e tal como estava previsto, os inspetores da organização estão a trabalhar ao abrigo do designado Protocolo Adicional de Salvaguardas, ou seja, os inspetores podem realizar visitas e inspeções a qualquer instalação nuclear iraniana sem aviso prévio.

O conteúdo deste relatório permite continuar com a aplicação do acordo e com a normalização das relações económicas entre o Irão e a comunidade internacional, com particular destaque para os Estados Unidos e a União Europeia.

O regime iraniano sempre recusou ter ambições bélicas com o seu programa nuclear, salientando o seu caráter civil e pacífico. Alguns países e a própria AIEA chegaram a admitir que o Irão não ofereceu o nível de transparência necessário para esclarecer o alcance e a natureza das suas atividades nucleares.

O acordo entre o Irão e o grupo de países 5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena.

Lusa

  • Buscas no Benfica, P. Ferreira, V. Setúbal e Desportivo das Aves

    Desporto

    A Polícia Judiciária do Porto está a fazer buscas à SAD do Benfica, no Estádio da Luz, e ainda ao Paços de Ferreira, Desportivo das Aves e Vitória de Setúbal. Em causa estão alegados crimes de corrupção desportiva e fraude fiscal. O clube da Luz já reagiu em comunicado.

    Em atualização

  • Sousa Cintra e Comissão de Gestão analisam futuro do Sporting
    2:37

    Crise no Sporting

    Sousa Cintra reuniu-se hoje com a Comissão de Gestão para analisar o que fazer no Sporting, depois da tomada de posição de Bruno de Carvalho. O presidente que foi destituído do cargo na Assembleia Geral de sábado, depois de dizer que se ia afastar, deixou depois a garantia de que vai impugnar a reunião magna do clube e vai a eleições.

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.