sicnot

Perfil

Mundo

Participação nas eleições legislativas irlandesas deve rondar os 70%

Os irlandeses votaram hoje em eleições legislativas com resultados particularmente incertos, perante as previsões de que o partido Fine Gael (centro direita) possa vencer o escrutínio, mas sem a maioria necessária para formar Governo.

AIDAN CRAWLEY

As assembleias de voto abriram às 07:00 locais (mesma hora em Lisboa) e encerraram às 22:00.

Nenhuma taxa de participação no escrutínio, após o encerramento das urnas, foi avançada, mas à tarde o canal de televisão público estabeleceu-a em 70%.

As legislativas são as primeiras eleições gerais na Irlanda desde o fim do programa de ajustamento associado ao resgate de 85 mil milhões de euros, em 2013, e realizam-se quando o país, de 4,6 milhões habitantes, registou a maior taxa de crescimento económico na União Europeia nos primeiros nove meses do ano passado: 7%.

Mas, para a generalidade dos observadores, os eleitores, cansados de anos de cortes, aumento de impostos, desemprego e emigração, querem sobretudo saber se a recuperação está a ser distribuída equitativamente ou apenas a beneficiar as elites que responsabilizam pela crise.

O Fine Gael e os trabalhistas com quem governaram coligados pedem a reeleição para consolidar a recuperação, argumentando que só assim ela chegará a todos e advertindo que uma situação de instabilidade política pode deitar tudo a perder.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48