sicnot

Perfil

Mundo

Governo russo admite morte de 26 mineiros após explosão em mina de carvão

O Governo russo admitiu hoje a morte de 26 mineiros desaparecidos após uma explosão numa mina de carvão no norte do país, acrescentando que seis operacionais morreram esta madrugada durante uma operação de resgate falhada.

"Há muitos mortos. Não há esperança de que as 26 pessoas que se encontram na mina estejam vivas. Podemos dizer que as vítimas mortais ascendem a 36", afirmou Arkady Dvorkovich, vice-primeiro ministro russo à imprensa local, citado pela agência de notícias espanhola, EFE.

Além dos 26 mineiros presos no subsolo e dos seis operadores de serviços de emergência que morreram no decorrer da operação de resgate falhada, outros quatro trabalhadores já tinham morrido desde o acidente.

"Estamos diante de um grande desastre para a Rússia e para a nossa indústria do carvão", lamentou Dvorkovich.

Antes destas declarações do governante russo, a companhia que explora esta unidade já tinha dado como mortos os 26 mineiros e anunciado a fim das operações de salvamento.

A mina "Sévernaya" está em laboração desde 1966.

O último acidente registado nesta mina aconteceu em julho de 2011, do qual resultou a morte de dois mineiros na sequência de um deslocamento de terras.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.