sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro irlandês reconhece derrota de coligação no Governo

O primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, reconheceu hoje a derrota da coligação governamental nas eleições legislativas que se realizaram na sexta-feira.

AIDAN CRAWLEY

"Claramente o Fine Gael [o partido de centro-direita de Enda Kenny] e o Labour [trabalhistas] não devem ser reconduzidos e temos de esperar os resultados finais para ver quais as opções possíveis", disse o primeiro-ministro irlandês à televisão pública RTE.

Enda Kenny afirmou que estes resultados foram "uma deceção para o Fine Gael".

Também o ministro da Saúde reconheceu a derrota: "Os eleitores decidiram claramente não reeleger este Governo e deram ao meu partido e ao Labour uma séria derrota", disse Leo Varadkar, fo Fine Gael.

"Não acho que a obrigação de formar um Governo recaia necessariamente em nós", declarou à RTE, sugerindo que os partidos da oposição podem igualmente negociar no sentido de formarem um governo viável.

Às 21:30 ainda não existiam resultados oficiais destas eleições, mas, de acordo com as sondagens, os dois partidos da coligação deverão alcançar entre 55 e 68 lugares, longe dos 80 necessários para formarem uma maioria.

As legislativas de sexta-feira foram as primeiras eleições gerais na Irlanda desde o fim do programa de ajustamento associado ao resgate de 85 mil milhões de euros, em 2013.

O país, de 4,6 milhões habitantes, registou a maior taxa de crescimento económico na União Europeia nos primeiros nove meses do ano passado: 7%.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.