sicnot

Perfil

Mundo

Cada um dos dois partidos mais votados na Irlanda tenta formar Governo

Os dois partidos mais votados nas eleições legislativas da Irlanda começam hoje as negociações para reunir apoios e tentar formar o seu próprio Governo nos próximos 10 dias.

© Darren Staples / Reuters

Apesar da contagem dos votos ainda continuar, os resultados continuam a ser inconclusivos.

O partido Fine Gael, do primeiro-ministro Enda Kenny obteve, até o momento, 47 cadeiras do Parlamento - apenas quatro a mais do que o principal rival, o Fianna Fail, ou Partido Republicano.

Os irlandeses foram às urnas na sexta-feira passada e, apesar da maioria dos votos já estar apurada, nenhum partido conseguiu a maioria necessária no Parlamento para assumir a liderança do país.

Desde o fim do programa de ajustamento financeiro, em 2013, que a Irlanda não realizava eleições gerais.

  • Partido do PM irlandês com menos 11% dos votos que em 2011
    1:28

    Mundo

    A contagem dos votos na Irlanda ainda não terminou mas as projeções revelam que os dois partidos da coligação no poder não alcançam a maioria necessária para um novo mandato. O partido do primeiro-ministro Enda Kenny teve menos 11% do que em 2011 e os trabalhistas menos 12%.

  • Governo da Irlanda sem maioria para novo mandato, revela sondagem
    1:42

    Mundo

    Os dois partidos que governam a Irlanda em coligação não conseguiram uma maioria de votos suficiente para um novo mandato nas eleições de sexta-feira, segundo uma sondagem publicada hoje pela rádio e televisão públicas do país. A sondagem da RTE revela, por outro lado, como a do Irish Times, a subida dos partidos até agora na oposição. Os votos começaram a ser contados hoje.

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.