sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos utilizam armas informáticas para combater o Daesh

Os Estados Unidos estão a utilizar armas informáticas na guerra contra o autoproclamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria, afirmou esta segunda-feira o secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter.

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

© Jason Reed / Reuters

"Usamos ferramentas informáticas para enfraquecer a capacidade do grupo para operar e comunicar no campo de batalha virtual", disse Ashton Carter, em conferência de imprensa no Pentágono.

"Isto é fazê-los perder a confiança nas suas redes, sobrecarregando-as para que não possam trabalhar e para que perturbem a capacidade de controlar as suas forças, população e economia", explicou o secretário da Defesa norte-americano.

Os Estados Unidos estão a formar uma força de cerca de 6.000 especialistas em guerra de informação, que são controlados pelo almirante Michael Rogers, chefe da Agência de Segurança Nacional.

Aquele "Comando Cibernético" das Forças Armadas dos Estados Unidos tem 133 unidades de combate com capacidade para defender as redes norte-americanas, como para atacar as inimigas.

O Pentágono tem sido até agora bastante discreto em relação aos seus ciber-combatentes, mas a administração pretende aumentar em 15% o orçamento da defesa para a guerra da informação.

Lusa

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07