sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos utilizam armas informáticas para combater o Daesh

Os Estados Unidos estão a utilizar armas informáticas na guerra contra o autoproclamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria, afirmou esta segunda-feira o secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter.

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

© Jason Reed / Reuters

"Usamos ferramentas informáticas para enfraquecer a capacidade do grupo para operar e comunicar no campo de batalha virtual", disse Ashton Carter, em conferência de imprensa no Pentágono.

"Isto é fazê-los perder a confiança nas suas redes, sobrecarregando-as para que não possam trabalhar e para que perturbem a capacidade de controlar as suas forças, população e economia", explicou o secretário da Defesa norte-americano.

Os Estados Unidos estão a formar uma força de cerca de 6.000 especialistas em guerra de informação, que são controlados pelo almirante Michael Rogers, chefe da Agência de Segurança Nacional.

Aquele "Comando Cibernético" das Forças Armadas dos Estados Unidos tem 133 unidades de combate com capacidade para defender as redes norte-americanas, como para atacar as inimigas.

O Pentágono tem sido até agora bastante discreto em relação aos seus ciber-combatentes, mas a administração pretende aumentar em 15% o orçamento da defesa para a guerra da informação.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.