sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos utilizam armas informáticas para combater o Daesh

Os Estados Unidos estão a utilizar armas informáticas na guerra contra o autoproclamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria, afirmou esta segunda-feira o secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter.

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

© Jason Reed / Reuters

"Usamos ferramentas informáticas para enfraquecer a capacidade do grupo para operar e comunicar no campo de batalha virtual", disse Ashton Carter, em conferência de imprensa no Pentágono.

"Isto é fazê-los perder a confiança nas suas redes, sobrecarregando-as para que não possam trabalhar e para que perturbem a capacidade de controlar as suas forças, população e economia", explicou o secretário da Defesa norte-americano.

Os Estados Unidos estão a formar uma força de cerca de 6.000 especialistas em guerra de informação, que são controlados pelo almirante Michael Rogers, chefe da Agência de Segurança Nacional.

Aquele "Comando Cibernético" das Forças Armadas dos Estados Unidos tem 133 unidades de combate com capacidade para defender as redes norte-americanas, como para atacar as inimigas.

O Pentágono tem sido até agora bastante discreto em relação aos seus ciber-combatentes, mas a administração pretende aumentar em 15% o orçamento da defesa para a guerra da informação.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras