sicnot

Perfil

Mundo

Estados Unidos utilizam armas informáticas para combater o Daesh

Os Estados Unidos estão a utilizar armas informáticas na guerra contra o autoproclamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria, afirmou esta segunda-feira o secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter.

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

© Jason Reed / Reuters

"Usamos ferramentas informáticas para enfraquecer a capacidade do grupo para operar e comunicar no campo de batalha virtual", disse Ashton Carter, em conferência de imprensa no Pentágono.

"Isto é fazê-los perder a confiança nas suas redes, sobrecarregando-as para que não possam trabalhar e para que perturbem a capacidade de controlar as suas forças, população e economia", explicou o secretário da Defesa norte-americano.

Os Estados Unidos estão a formar uma força de cerca de 6.000 especialistas em guerra de informação, que são controlados pelo almirante Michael Rogers, chefe da Agência de Segurança Nacional.

Aquele "Comando Cibernético" das Forças Armadas dos Estados Unidos tem 133 unidades de combate com capacidade para defender as redes norte-americanas, como para atacar as inimigas.

O Pentágono tem sido até agora bastante discreto em relação aos seus ciber-combatentes, mas a administração pretende aumentar em 15% o orçamento da defesa para a guerra da informação.

Lusa

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32