sicnot

Perfil

Mundo

Estudante norte-americano detido na Coreia do Norte diz que furtou "slogan político"

Um estudante norte-americano detido na Coreia do Norte admitiu ter furtado material de propaganda a mando de uma igreja metodista dos EUA e com o incentivo de uma sociedade de universidade secreta, informou hoje a imprensa estatal.

Reuters

A agência official norte-coreana KCNA afirmou que Otto Frederick Warmbier, que foi detido em janeiro quando se preparava para deixar o país, deu hoje "uma entrevista" aos jornalistas, incluindo estrangeiros, em Pyongyang.

Num comunicado citado pela KCNA, o jovem de 21 anos, da Universidade de Virginia, EUA, disse que retirou um cartaz político de uma zona restrita apenas a funcionários de um hotel de Pyongyang, usado pelo seu grupo de excursão.

Num vídeo distribuído pela CNN, Warmbier afirma ter cometido "o pior erro" da sua vida e pede para ser libertado.

Segundo a KCNA, Warmbier afirmou que um membro da Friendship United Methodist Church, nos Estados Unidos, lhe pediu para furtar o slogan político que pretendia como "troféu".

Esse membro -- a mãe de um amigo -- ter-lhe-á prometido um carro usado no valor de dez mil dólares se fosse bem-sucedido na sua missão, refere a agência estatal norte-coreana.

"O objetivo da minha tarefa era prejudicar a motivação e a ética laboral do povo coreano. Era um objetivo muito tolo", afirmou, segundo a KCNA.

Os estrangeiros detidos na Coreia do Norte são frequentemente obrigados a fazer um reconhecimento público, seguindo um 'guião', de que fizeram algo de errado, como um primeiro passo para uma eventual libertação.

O material de propaganda, exaltando as conquistas do país e os seus líderes e encorajando os cidadãos a trabalharem duro e a demonstrarem a sua lealdade, encontram-se em todo o lado na Coreia do Norte.

Podem ser vistos nas ruas e perto dos edifícios públicos, bem como de cada posto de trabalho.

Segundo a KCNA, o slogan removido por Warmbier tinha como objetivo inspirar "o amor do povo coreano pelo seu sistema".

No anúncio inicial da detenção de Warmbier, a Coreia do Norte afirmou estar envolvida num "ato hostil" com a conivência da administração norte-americana.

A detenção de Warmbier surge numa altura particularmente sensível, já que os Estados Unidos assumiram a liderança dos esforços para garantir a aplicação de duras sanções internacionais à Coreia do Norte devido ao seu recente teste nuclear.

De acordo com a KCNA, Warmbier disse ter sido encorajado na sua missão pela secreta "sociedade Z" da Universidade de Virginia, a qual lhe prometeu a adesão como membro se fosse bem-sucedido.

Segundo a revista da universidade, a sociedade é conhecida pelos seus esforços filantrópicos, realiza inúmeros jantares honorários e atribuiu prémios académicos.

"Não há dúvida de que a CIA sabe do incentivo da 'sociedade Z' ao meu crime", afirmou Warmbier, citado pela agência KCNA.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.