sicnot

Perfil

Mundo

Trump alvo de críticas por citar Mussolini e ter apoio de antigo líder do KKK

O pré-candidato republicano às presidenciais dos Estados Unidos Donald Trump foi hoje criticado por ter citado o ditador Mussolini no Twitter e por não recusar o apoio de um ex-líder do grupo racista Ku Klux Klan (KKK).

MIKE NELSON

Numa entrevista ao canal NBC, Donald Trump referiu-se à frase "É melhor viver um dia como leão do que cem como uma ovelha", que viu publicada na rede social 'Twitter' e que republicou na sua conta pessoal, sem saber que a origem da frase era uma conta falsa criada para lançar frases do ditador italiano Benito Mussolini (1883-1945).

A conta, com o nome @ilduce2016 (a referência, em italiano, ao líder fascista), dirigiu a citação à conta oficial de Donald Trump (@realdonaldtrump) com a 'hashtag' (etiqueta) da campanha do magnata norte-americano, #MakeAmericaGreatAgain, e a frase acabou por ser republicada na conta oficial do pré-candidato republicano à Casa Branca.

"Não há problema que [a frase] seja de Mussolini. Mussolini era Mussolini. É uma citação muito boa, muito interessante e eu já a conhecia", disse Donald Trump, respondendo na NBC às críticas que a publicação provocou.

Questionado sobre se não se importava de ser associado a um ditador, o magnata disse que gosta de "ser associado a boas citações".

Donald Trump foi também criticado por ter recusado rejeitar um apoio de David Duke, um antigo líder da organização racista que defende a supremacia branca, Ku Klux Klan (KKK).

Interrogado sobre o assunto na CNN, o pré-candidato republicano disse que não sabia nada sobre David Duke ou sobre o KKK.

No ano passado, um blogue divulgou um relatório que dizia que o pai de Donald Trump, Fred Trump, foi um dos sete homens presos em 1927 na sequência de confrontos entre 1.000 membros do KKK e 100 oficiais da polícia em Queens, Nova Iorque.

Donald Trump negou o relatório, que apelidou de ridículo, afirmando em entrevista ao Daily Mail que o seu pai nunca foi preso.

Na quinta-feira, a Liga Anti Difamação pediu-lhe que se distanciasse "inequivocamente" de David Duke e de outros supremacistas brancos.

Segundo a associação, David Duke apelou aos eleitores que se oferecessem como voluntários na campanha de Donald Trump, afirmando que votar contra o magnata seria uma "verdadeira traição à herança" norte-americana.

Confrontado com esta situação, o pré-candidato norte-americano disse, até ao momento, que não conhecia este apoio nem que tem nada a ver com ele.

Lusa

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52