sicnot

Perfil

Mundo

Trump alvo de críticas por citar Mussolini e ter apoio de antigo líder do KKK

O pré-candidato republicano às presidenciais dos Estados Unidos Donald Trump foi hoje criticado por ter citado o ditador Mussolini no Twitter e por não recusar o apoio de um ex-líder do grupo racista Ku Klux Klan (KKK).

MIKE NELSON

Numa entrevista ao canal NBC, Donald Trump referiu-se à frase "É melhor viver um dia como leão do que cem como uma ovelha", que viu publicada na rede social 'Twitter' e que republicou na sua conta pessoal, sem saber que a origem da frase era uma conta falsa criada para lançar frases do ditador italiano Benito Mussolini (1883-1945).

A conta, com o nome @ilduce2016 (a referência, em italiano, ao líder fascista), dirigiu a citação à conta oficial de Donald Trump (@realdonaldtrump) com a 'hashtag' (etiqueta) da campanha do magnata norte-americano, #MakeAmericaGreatAgain, e a frase acabou por ser republicada na conta oficial do pré-candidato republicano à Casa Branca.

"Não há problema que [a frase] seja de Mussolini. Mussolini era Mussolini. É uma citação muito boa, muito interessante e eu já a conhecia", disse Donald Trump, respondendo na NBC às críticas que a publicação provocou.

Questionado sobre se não se importava de ser associado a um ditador, o magnata disse que gosta de "ser associado a boas citações".

Donald Trump foi também criticado por ter recusado rejeitar um apoio de David Duke, um antigo líder da organização racista que defende a supremacia branca, Ku Klux Klan (KKK).

Interrogado sobre o assunto na CNN, o pré-candidato republicano disse que não sabia nada sobre David Duke ou sobre o KKK.

No ano passado, um blogue divulgou um relatório que dizia que o pai de Donald Trump, Fred Trump, foi um dos sete homens presos em 1927 na sequência de confrontos entre 1.000 membros do KKK e 100 oficiais da polícia em Queens, Nova Iorque.

Donald Trump negou o relatório, que apelidou de ridículo, afirmando em entrevista ao Daily Mail que o seu pai nunca foi preso.

Na quinta-feira, a Liga Anti Difamação pediu-lhe que se distanciasse "inequivocamente" de David Duke e de outros supremacistas brancos.

Segundo a associação, David Duke apelou aos eleitores que se oferecessem como voluntários na campanha de Donald Trump, afirmando que votar contra o magnata seria uma "verdadeira traição à herança" norte-americana.

Confrontado com esta situação, o pré-candidato norte-americano disse, até ao momento, que não conhecia este apoio nem que tem nada a ver com ele.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.