sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas africanos temem epidemia de fungo que já afeta bananas de Moçambique

Um fungo que mata a bananeira Cavendish e ameaça o comércio mundial de bananas já chegou a Moçambique, fazendo temer uma epidemia na África Subsaariana, segundo o a página na Internet de informação científica para o desenvolvimento SciDev.Net.

© Guillermo Granja / Reuters

Cientistas nos países em desenvolvimento procuram uma cura para este fungo, denominado Tropical Race 4, e que é a nova estirpe daquilo que se conhecia como Mal-do-Panamá.

Detetado nos anos 1990 na Malásia, o fungo escapou da Ásia em 2013 e em 2015 já tinha infetado plantações em Moçambique, assim como na Jordânia, Líbano e Paquistão.

Muitos cientistas temem que de Moçambique a doença se espalhe para o resto da África Subsaariana, lançando para a pobreza milhares de produtores de bananas.

"O impacto nas plantações afetadas é imenso, com perdas significativas de plantas e com a impossibilidade de erradicar o fungo dos solos afetados", disse Altus Viljoen, um especialista em doenças das plantas na Universidade Stellenbosch, na África do Sul.

A doença pode ser devastadora para os pequenos agricultores, que fornecem grande parte dos 17 milhões de toneladas de bananas Cavendish comercializados anualmente.

Na Indonésia e na Malásia, por exemplo, o fungo destruiu mais de 5.000 hectares de bananas Cavendish entre 1992 e 1993, disse Agustin Molina, que lidera a investigação sobre a doença na região Ásia-Pacífico para a organização científica internacional Bioversity International.

Apesar de todos os esforços, a Tropical Race 4 já chegou a Moçambique e outros países da África Oriental muito dependentes da exportação de bananas - como o Uganda - temem uma epidemia.

"Se nada for feito nos próximos dez anos, perder-se-ão milhares de milhões de dólares em colheitas", afirmou Enoch Kikulwe, cientista na sucursal ugandesa da Bioversity International.

Apesar da preocupação dos cientistas africanos, a maior ameaça é para a região da América Latina e Caraíbas, responsável por 25% da produção mundial de bananas e por 80% das exportações mundiais.

Já em 2014, a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) exortara os países, especialmente da América Latina, para reforçarem a prevenção deste fungo.

Segundo a FAO, a banana é a oitava cultura alimentar mais importante no mundo e o quarto alimento mais importante entre os países menos desenvolvidos, pelo que "a disseminação da doença da banana "poderia ter um impacto significativo sobre os produtores, comerciantes e famílias que dependem da indústria da banana", disse na altura Fazil Dusunceli, patologista de plantas da FAO.

A doença é transmitida pelo solo e o fungo pode permanecer ativo durante décadas, pelo que estando presente num campo não pode ser totalmente controlada pelas práticas e fungicidas (que destrói fungos) atualmente disponíveis.

Segundo a FAO, a melhor maneira de combater a doença é evitar a sua propagação, o que inclui evitar o movimento de materiais de plantas doentes e as partículas do solo contaminadas.

Segundo a Confederação das Associações Económicas (CTA) de Moçambique, a exportação de bananas rende mais de 70 milhões de dólares (64,5 milhões de euros) anuais ao país.

Lusa

  • Morreu Miguel Beleza, antigo ministro das Finanças e governador do BdP
    1:34
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.