sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas africanos temem epidemia de fungo que já afeta bananas de Moçambique

Um fungo que mata a bananeira Cavendish e ameaça o comércio mundial de bananas já chegou a Moçambique, fazendo temer uma epidemia na África Subsaariana, segundo o a página na Internet de informação científica para o desenvolvimento SciDev.Net.

© Guillermo Granja / Reuters

Cientistas nos países em desenvolvimento procuram uma cura para este fungo, denominado Tropical Race 4, e que é a nova estirpe daquilo que se conhecia como Mal-do-Panamá.

Detetado nos anos 1990 na Malásia, o fungo escapou da Ásia em 2013 e em 2015 já tinha infetado plantações em Moçambique, assim como na Jordânia, Líbano e Paquistão.

Muitos cientistas temem que de Moçambique a doença se espalhe para o resto da África Subsaariana, lançando para a pobreza milhares de produtores de bananas.

"O impacto nas plantações afetadas é imenso, com perdas significativas de plantas e com a impossibilidade de erradicar o fungo dos solos afetados", disse Altus Viljoen, um especialista em doenças das plantas na Universidade Stellenbosch, na África do Sul.

A doença pode ser devastadora para os pequenos agricultores, que fornecem grande parte dos 17 milhões de toneladas de bananas Cavendish comercializados anualmente.

Na Indonésia e na Malásia, por exemplo, o fungo destruiu mais de 5.000 hectares de bananas Cavendish entre 1992 e 1993, disse Agustin Molina, que lidera a investigação sobre a doença na região Ásia-Pacífico para a organização científica internacional Bioversity International.

Apesar de todos os esforços, a Tropical Race 4 já chegou a Moçambique e outros países da África Oriental muito dependentes da exportação de bananas - como o Uganda - temem uma epidemia.

"Se nada for feito nos próximos dez anos, perder-se-ão milhares de milhões de dólares em colheitas", afirmou Enoch Kikulwe, cientista na sucursal ugandesa da Bioversity International.

Apesar da preocupação dos cientistas africanos, a maior ameaça é para a região da América Latina e Caraíbas, responsável por 25% da produção mundial de bananas e por 80% das exportações mundiais.

Já em 2014, a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) exortara os países, especialmente da América Latina, para reforçarem a prevenção deste fungo.

Segundo a FAO, a banana é a oitava cultura alimentar mais importante no mundo e o quarto alimento mais importante entre os países menos desenvolvidos, pelo que "a disseminação da doença da banana "poderia ter um impacto significativo sobre os produtores, comerciantes e famílias que dependem da indústria da banana", disse na altura Fazil Dusunceli, patologista de plantas da FAO.

A doença é transmitida pelo solo e o fungo pode permanecer ativo durante décadas, pelo que estando presente num campo não pode ser totalmente controlada pelas práticas e fungicidas (que destrói fungos) atualmente disponíveis.

Segundo a FAO, a melhor maneira de combater a doença é evitar a sua propagação, o que inclui evitar o movimento de materiais de plantas doentes e as partículas do solo contaminadas.

Segundo a Confederação das Associações Económicas (CTA) de Moçambique, a exportação de bananas rende mais de 70 milhões de dólares (64,5 milhões de euros) anuais ao país.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC