sicnot

Perfil

Mundo

Facebook "desapontado" com prisão de executivo no Brasil

A rede social Facebook manifestou em comunicado o seu desapontamento pela prisão de Diego Jorge Dzodan, vice-presidente da empresa para a América Latina, detido hoje de manhã por agentes da Polícia Federal em São Paulo.

© Brendan McDermid / Reuters

"Estamos desapontados com a medida extrema e desproporcional de ter um executivo do Facebook escoltado até à delegacia devido a um caso envolvendo o (aplicativo) WhatsApp, que opera separadamente do Facebook", lê-se no comunicado.

A prisão preventiva foi decretada pelo juiz Marcel Maia Montalvão porque o Facebook não respeitou uma ordem judicial para a libertação de mensagens do aplicativo WhatsApp, trocadas por pessoas sob investigação por tráfico de drogas no Estado de Sergipe.

Face à negação de acesso aos dados, o juiz aplicou multas até decretar a prisão preventiva de Dzodan, responsável pelo Facebook no Brasil, acusado de impedir uma investigação policial.

Não foi a primeira vez que a empresa recusou dar informações solicitadas por um juiz brasileiro.

No ano passado, um tribunal de São Paulo determinou que as operadoras de telefonia móvel do país bloqueassem o acesso ao WhatsApp por um caso semelhante.

O aplicativo ficou fora do ar por horas porque a empresa recusou libertar mensagens trocadas por suspeitos de crime organizado.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.