sicnot

Perfil

Mundo

Governo russo aprova plano anticrise mas não tem dinheiro para o financiar

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, anunciou hoje que aprovou um plano anticrise destinado a travar a recessão económica e a queda dos preços do petróleo, embora admitindo que o seu Governo não dispõe de fundos para o financiar.

© RIA Novosti / Reuters

"Dada a situação criada, alguns pontos foram formulados de tal forma que se financiarão quando aparecerem os fundos e dependendo dos resultados do primeiro semestre", disse Medvedev à imprensa local.

Medvedev salientou que o programa anticrise, "que se destina a garantir um desenvolvimento socioeconómico estável", foi discutido com o Presidente russo, Vladimir Putin.

O chefe do executivo explicou que o plano terá duas vertentes: uma de apoio à população e aos setores mais afetados pela crise e outra de reformas estruturais.

Quanto à primeira, os setores que vão beneficiar do plano anticrise serão a agricultura, o setor automóvel, a indústria ligeira, a construção civil e a maquinaria agrícola e de transporte de carga.

"A outra tarefa pendente é ajudar as pessoas a aliviar ao máximo as consequências da recessão económica, apoiando os orçamentos regionais com o objetivo de garantir o pagamento a horas de salários, pensões e subsídios", disse.

Por outro lado, o objetivo das reformas é introduzir alterações legais para melhorar as condições de produção das pequenas e médias empresas, com especial ênfase na "redução da pressão administrativa sobre o mundo dos negócios".

O primeiro-ministro anunciou o plano anticrise após semanas de desacordos entre o Governo o Kremlin sobre as suas fontes de financiamento, já que a ala mais liberal do executivo propôs utilizar os fundos de estabilização que Putin controla.

A economia russa, que se contraiu 3,7% em 2015, decrescerá este ano cerca de 1%, segundo as previsões do Governo e do Fundo Monetário Internacional (FMI), em grande medida devido à redução de receitas da exportação de hidrocarbonetos.

Lusa

  • Marcha lenta em Lisboa apela ao fim do conflito na Ucrânia
    0:35

    País

    Cerca de 200 ucranianos manifestaram-se ao final da manhã em Lisboa contra a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Na marcha lenta, que partiu do Terreiro do Paço com destino ao Largo Camões, esteve presente a embaixadora da Ucrânia em Portugal. A iniciativa fez parte de um movimento europeu, já que milhares de ucranianos desfilam hoje em várias cidades europeias a apelar ao fim do conflito que começou há já dois anos. Por cá, foi também entregue uma carta ao presidente da Assembleia República para sensibilizar o Governo para esta questão, como deixou claro Pavlo Sandokan, da Associação de Ucranianos em Portugal.

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01