sicnot

Perfil

Mundo

Governo russo aprova plano anticrise mas não tem dinheiro para o financiar

O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, anunciou hoje que aprovou um plano anticrise destinado a travar a recessão económica e a queda dos preços do petróleo, embora admitindo que o seu Governo não dispõe de fundos para o financiar.

© RIA Novosti / Reuters

"Dada a situação criada, alguns pontos foram formulados de tal forma que se financiarão quando aparecerem os fundos e dependendo dos resultados do primeiro semestre", disse Medvedev à imprensa local.

Medvedev salientou que o programa anticrise, "que se destina a garantir um desenvolvimento socioeconómico estável", foi discutido com o Presidente russo, Vladimir Putin.

O chefe do executivo explicou que o plano terá duas vertentes: uma de apoio à população e aos setores mais afetados pela crise e outra de reformas estruturais.

Quanto à primeira, os setores que vão beneficiar do plano anticrise serão a agricultura, o setor automóvel, a indústria ligeira, a construção civil e a maquinaria agrícola e de transporte de carga.

"A outra tarefa pendente é ajudar as pessoas a aliviar ao máximo as consequências da recessão económica, apoiando os orçamentos regionais com o objetivo de garantir o pagamento a horas de salários, pensões e subsídios", disse.

Por outro lado, o objetivo das reformas é introduzir alterações legais para melhorar as condições de produção das pequenas e médias empresas, com especial ênfase na "redução da pressão administrativa sobre o mundo dos negócios".

O primeiro-ministro anunciou o plano anticrise após semanas de desacordos entre o Governo o Kremlin sobre as suas fontes de financiamento, já que a ala mais liberal do executivo propôs utilizar os fundos de estabilização que Putin controla.

A economia russa, que se contraiu 3,7% em 2015, decrescerá este ano cerca de 1%, segundo as previsões do Governo e do Fundo Monetário Internacional (FMI), em grande medida devido à redução de receitas da exportação de hidrocarbonetos.

Lusa

  • Marcha lenta em Lisboa apela ao fim do conflito na Ucrânia
    0:35

    País

    Cerca de 200 ucranianos manifestaram-se ao final da manhã em Lisboa contra a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Na marcha lenta, que partiu do Terreiro do Paço com destino ao Largo Camões, esteve presente a embaixadora da Ucrânia em Portugal. A iniciativa fez parte de um movimento europeu, já que milhares de ucranianos desfilam hoje em várias cidades europeias a apelar ao fim do conflito que começou há já dois anos. Por cá, foi também entregue uma carta ao presidente da Assembleia República para sensibilizar o Governo para esta questão, como deixou claro Pavlo Sandokan, da Associação de Ucranianos em Portugal.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.