sicnot

Perfil

Mundo

ONU informa que pelo menos 670 iraquianos foram mortos em fevereiro

Pelo menos 670 iraquianos morreram e 1.290 ficaram feridos em atos de terrorismo, violência e relacionados com o conflito armado no Iraque durante o mês de fevereiro, informou hoje a ONU.

NAWRAS AAMER

Segundo Missão da ONU no Iraque (UNAMI), entre o total de vítimas há 1.460 civis, dos quais 410 morreram, e 1.050 ficaram feridos.

Em janeiro, refere a UNAMI, 849 pessoas morreram e 1.450 ficaram feridas.

A UNAMI acrescentou que o mês de fevereiro ficou marcado pela "agressividade" de alguns ataques, que incluíram ataques suicidas contra lugares de culto, mercados e funerais.

O representante especial do secretário-geral da ONU para o Iraque, Jan Kubis, lamentou que sejam civis os mais afetados pela violência no país.

"A população é que continua a sofrer as consequências do conflito. Os civis representam dois terços do total de mortos e a maioria dos feridos em fevereiro. Isto é profundamente preocupante e desencorajador", disse.

Os números referem que as zonas mais afetadas pela violência são a província de Bagdade, seguida de Diyala e Ninive.

O Iraque enfrenta uma guerra contra o grupo extremista Estado Islâmico, que conquistou no passado verão grandes partes do território e proclamou um califado no país e na vizinha Síria.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.