sicnot

Perfil

Mundo

PSOE faz último apelo ao Podemos enumerando várias medidas de esquerda

O socialista Pedro Sánchez listou hoje no parlamento medidas de esquerda como "um plano de emergência social", "rendimento mínimo vital" ou o fim dos despejos, num último apelo ao voto positivo do Podemos para Presidente do Governo espanhol.

© Sergio Perez / Reuters

Sánchez, que a um dia da primeira votação de investidura apenas tem o apoio do Ciudadanos (40 deputados) e da Coligação Canária (um assento), não reúne os apoios necessário para obter nem a maioria absoluta no parlamento (176 deputados, essenciais na primeira votação) nem numa segunda votação por maioria simples.

No seu discurso de apresentação das linhas gerais do seu programa de governo, o líder socialista acenou ao Podemos (69 deputados juntamente com as suas formações regionais) com algumas das medidas mais reclamadas pelo partido de Pablo Iglesias.

Assim, Sánchez comprometeu-se a lançar "um programa de emergência social", que prevê leis que garantam "um rendimento mínimo vital" (garantindo que todas as famílias poderão ter uma forma de rendimento), complementos salariais garantidos (para que tem salários baixos), subir o salário mínimo e um programa de combate à pobreza energética.

Por outro lado, agitou uma das outras "bandeiras" do Podemos: novas leis para impedir despejos por motivo de falta de pagamento de hipotecas e legislação mais restritiva para que os bancos não possam implementar certas cláusulas dos contratos de hipoteca com as famílias.

"Tudo isto pode ocorrer já na próxima semana", repetiu várias vezes Pedro Sánchez, numa referência ao resultado da segunda votação de investidura - marcada para sexta-feira - que lhe poderá ser favorável se o Ciudadanos juntar os seus 40 votos "Sim" aos 90 do PSOE e o Podemos votar abstenção.

No entanto, se "piscou o olho" ao partido de Pablo Iglesias, também censurou algumas das suas atitudes ao longo dos 72 dias que passaram desde as eleições de 20 de dezembro. O Podemos recusou prosseguir negociações a partir do momento em que Sánchez escolheu assinar um acordo de investidura com o Ciudadanos.

Iglesias considerou que o PSOE teria de escolher entre um governo de esquerda ou um acordo com o centro-direita, não poderia ter os dois. O próprio Ciudadanos, receoso das exigências do Podemos, também está contra a inclusão de Iglesias no acordo.

"Esse veículo que nos vai levar à mudança chama-se acordo e o combustível é o diálogo. Não vale a imposição, a chantagem e o abandono das mesas de negociações. Bloquear os acordos significa seguir onde estamos e nós precisamos de avançar. À velocidade possível, mas avancemos", disse, numa referência ao Podemos.

O grupo parlamentar socialista, salientou, "não não tem linhas, não pretende impor nada, apenas tem convicções firmes".

"É muito simples: ofereço pactos com a mais ampla maioria possível. [...] Não há maioria suficiente para formar um governo de esquerda, de uma única cor política. Porque não fazemos um governo pelo que nos une [impedir a permanência de Rajoy no poder]? Porque não nos unimos para um governo de mudança?", questionou.

Entre as "forças da mudança", sublinhou, "existe um amplo acordo sobre o que Espanha precisa, quer sobre a economia, quer sobre o combate sem quartel contra a corrupção".

E deixou um aviso. "Na complicada aritmética parlamentar, qualquer solução passa pelo PSOE".

"Somos a pedra angular. Qualquer solução passa pela nossa participação ativa e com Rajoy não podemos fazer acordos. O nosso único objetivo é um governo da mudança", realçou.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.